Radar Sanitário | Cisticercose bovina preocupa em MS

CONFIRA o que está no 'Radar Sanitário' em julho; coluna do médico veterinário e professor Enrico Ortolani trata das rotinas no manejo dos rebanhos de corte

Continue depois da publicidade

Por Enrico Ortolani – Professor titular de Clínica de Ruminantes da FMVZ-USP (ortolani@usp.br)

CISTICERCOSE BOVINA PREOCUPA EM MATO GROSSO DO SUL


Embora a cisticercose possa ocorrer em todo o Brasil, nesse último mês tal parasitose foi mais relatada e preocupante no estado de Mato Grosso do Sul. Segundo levantamento feito por um especialista, foram detectados em alguns lotes de bovinos confinados ao redor de 9 % de cisticercose nos animais abatidos.

Em cerca de metade deles a quantidade de cisticercos vivos ou calcificados na carcaça não era tão alta (até 8 cisticercos vivos ou calcificados), tendo a possibilidade da carcaça ser “tratada” pelo frio (- 9º C) por 10 dias para a morte do cisticerco, mas as demais carcaças dos animais altamente infectados foram parar na graxaria, impróprias para consumo.

Em ambas situações os prejuízos são enormes para o pecuarista, pois nos casos de carcaças “tratadas pelo frio” constatei que os frigoríficos descontam, em média, 50% do valor pago pelo boi e no caso de graxaria a perda é total, não sendo remunerado nada para o pecuarista.

Nesse caso particular de MS, o especialista consegui detectar como os bovinos se contaminaram com o parasita. Depois de investigar concluiu que os animais antes de entrarem no confinamento permaneciam numa grande pastagem, para descanso e adaptação ao ambiente.

Esse piquete era recém-formado e ficava em área com alto fluxo de pessoas, entre eles contratados para reforma de cercas, plantio de cana-de-açúcar e caçadores, que defecavam no local, contaminando o ambiente com ovos de Taenia saginata.

Esses ovos, depois de ingeridos pelo boi, se transformam em embriões no intestino e por aí penetram no organismo. Já um pouco mais evoluídos migram e ficam encarcerados na musculatura e em outros órgãos, dando origem aos cisticercos (canjiquinhas). Para prevenir o quadro recomendou-se cercar melhor o local e evitar a entrada de estranhos.

A cisticercose bovina pode se originar da ingestão de alimentos ou de água contaminada com fezes humanas de pessoas que têm a teníase, por comerem carne bovina, com “canjiquinha”, mal passada.

É bom que se frise que em muitos casos é difícil o controle da cisticercose na boiada, ou porque não se sabe onde os ovos estão ou pela dificuldade em combate-los nas pastagens, nas aguadas e em outras paragens. O pior é que o homem está no centro de tudo!

SURTO DE BABESIOSE EM SANTARÉM, NO PARÁ

Segundo relato de médico veterinário que atendeu o surto, numa fazenda de Santarém (PA) morreram em poucos dias 10 vacas Nelore com sintomas muito sugestivos de babesiose: tristeza, abatimento, isolamento, eliminação de urina com cor de “coca-cola” (hemoglobinúria), algum grau de anemia, globo ocular amarelado (ictérico), febre etc.

Na necrópsia, detectaram as seguintes alterações: acúmulo de líquido sanguinolento no saco que recobre o coração (saco pericárdico), rins com coloração mais escura, fígado aumentado de tamanho, e vesícula biliar cheia de bile com aspecto viscoso etc. Comprovou-se definitivamente a doença encontrando no exame de sangue a presença de do parasita (Babesia bigemina) dentro das hemácias.

Foram vistos ainda alguns carrapatos na pele dos animais doentes. A partir do diagnóstico outros 10 animais adultos tiveram os mesmos sintomas, mas todos sobreviveram após o tratamento com medicamentos apropriados.

Essa doença é transmitida por carrapatos, embora a minoria deles esteja naturalmente contaminada com o protozoário causador da doença. Animais enfraquecidos ou que tem poucos anticorpos e defesas contra o parasita são os mais propensos a se tornarem doentes.

No Brasil, temos três condições em relação a presença de carrapatos em bovinos. Na pontinha do estado do RS (município de Santa Vitória do Palmar, onde fica o arroio Chuí) não tem carrapatos (livre). Do centro do PR, toda a região sudeste, MS, MT, GO e algumas regiões da BA, TO, PA e MA, existe a possibilidade de parasitismo por carrapatos no decorrer de praticamente todo ano (estabilidade enzoótica).

E nos estados do RS, SC parte sul do PR, AC, RN, boa parte da região nordeste e em áreas dos estados do PA, AM, AP e RR os carrapatos atacam o gado apenas em uma parte do ano, ficando ausente em outros períodos (instabilidade enzoótica).

Se nessa última área, o tempo sem a presença de carrapatos for muito prolongado ocorrerá queda na produção de anticorpos contra os agentes causadores da tristeza parasitária (Babesia bigemina e B.bovis e Anaplasma marginale) ficando os bovinos, principalmente os adultos, mais propensos à doença.

Especula-se que, nesse surto em Santarém, os bovinos ficaram “descarrapatados” durante o período prolongado de chuvas (dezembro a abril), em que a precipitação média ultrapassa em muito os 100 mm mensais, que dificulta muito a sobrevivência de larvas de carrapatos nas pastagens.

Com a diminuição das chuvas em maio e o início do ataque de carrapatos, surgiu subitamente a doença nos bovinos mais desprotegidos. Ainda faltam maiores estudos na região de Santarém para comprovar essa especulação.

 

Urina cor de “coca-cola”.
Rim com cor mais escura.
Presença de B. Bigemina nas hemácias.

BERNE EM PLENO PERÍODO SECO EM SP

No mês de junho, durante o início da estação seca, continua relativamente alta a infestação de bernes nas boiadas das regiões de Sorocaba e São João da Boa Vista, em SP. Segundo minha contagem, o número de bernes médios por animal foi um pouco mais alto em junho de 2023 que no mesmo mês de 2022 (11,40 X 8,12), num rebanho mestiço (Nelore X Angus) criado na região de Sorocaba.

Estudos clássicos no estado de São Paulo identificaram que o maior ataque de bernes está associado aos meses cujas as temperaturas (> 23º C) e as pluviosidades (> 80 mm) médias são mais altas. Porém, como esses valores (temperatura e pluviosidade) foram muito semelhantes em 2022 e 2023, acredita-se que a maior população de bernes no presente ano esteja ligada a maior resistência destes ectoparasitas aos bernicidas empregados, no presente caso a base de organofosforados.

A questão da resistência dos bernes a um maior número de princípios ativos parece aumentar ano-a-ano e desafia os pesquisadores e as empresas veterinárias que fabricam tais medicamentos, e assusta os pecuaristas principalmente das regiões sul e sudeste onde o berne mais campeia.

Vaca muito atacada por bernes.

FOCOS E SURTOS DE RAIVA PELO BRASIL AFORA

MATO GROSSO: Diamantino e Chapada dos Guimarães (Fonte: Indea)

PARÁ: Tomé-Açú (Fonte: Adepará)

SÃO PAULO: Tupã, Marília, Miracatu, Juquitiba, Juquiá e Pindamonhangaba. Curiosidade: foi comprovado raiva em uma anta que vida livre em Novo Horizonte (Fonte: EDA)

RIO GRANDE DO SUL: Alegrete, Bossoroca, Cachoeria do Sul, Campo Bom, Dom Feliciano, Gravataí, Itaqui, Itatí, Jari, Jaguari, Santiago, Redentora, Taquara. (Fonte: Seapi)

Mande sua notícia da presença de focos ou surtos recentes dos mais variados tipos de doenças em gado de corte para o seguinte email: ortolani@usp.br

VEJA TAMBÉM
Morte de gado Nelore por frio em Mato Grosso do Sul: entenda os motivos!

Foco de fasciolose em boitel na região Sul
Surto de ‘Mio-Mio’ mata bovinos no extremo sul do RS
Hora de rever os cochos; veja fotos

Não é permitida a cópia integral do conteúdo acima. A reprodução parcial é autorizada apenas na forma de citação e com link para o conteúdo na íntegra. Plágio é crime de acordo com a Lei 9610/98.

DBO, há mais de 40 anos acompanhando e contribuindo para uma pecuária cada vez mais moderna e eficiente.

Gostou? Compartilhe:
Mais conteúdo

Continue depois da publicidade

Continue depois da publicidade

Vaca - 30 dias

Boi Gordo - 30 dias

Fonte: Scot Consultoria

Colunas e Artigos

Continue depois da publicidade

Continue depois da publicidade

Raças

Continue depois da publicidade

Continue depois da publicidade

Newsletter

Newsletter

Jornal de Leilões

Os destaques do dia da pecuária de corte, pecuária leiteira e agricultura diretamente no seu e-mail.

Continue depois da publicidade

Revista DBO

Destaques

Os benefícios de cada estabelecimento é liberado apenas para membros com assinatura válida.

Cooperativas ‘abrem alas’ para o boi

Gigantes da agricultura e da produção leiteira começam a ver o gado de corte como importante parceiro de suas atividades-mãe e lançam programas específicos para pecuaristas.

Para continuar lendo é preciso ser assinante.


Faça já sua assinatura digital da DBO


Leia todo o conteúdo da DBO a partir de R$16,90 por mês.

Invista na melhor informação. Uma única dica que você aproveite pagará com folga o valor da assinatura.

Você precisa adquirir uma de nossas assinaturas.

Os benefícios de cada estabelecimento é liberado apenas para membros com assinatura válida.
Os benefícios de cada estabelecimento é liberado apenas para membros com assinatura válida.
Os benefícios de cada estabelecimento é liberado apenas para membros com assinatura válida.

Vídeo

Os destaques no vídeo da Edição:

Os benefícios de cada estabelecimento é liberado apenas para membros com assinatura válida.
Os benefícios de cada estabelecimento é liberado apenas para membros com assinatura válida.
Os benefícios de cada estabelecimento é liberado apenas para membros com assinatura válida.
Os benefícios de cada estabelecimento é liberado apenas para membros com assinatura válida.
Os benefícios de cada estabelecimento é liberado apenas para membros com assinatura válida.
Os benefícios de cada estabelecimento é liberado apenas para membros com assinatura válida.

Continue depois da publicidade

Continue depois da publicidade

Newsletter

Newsletter

Destaques do Dia

Os destaques do dia da pecuária de corte, pecuária leiteira e agricultura diretamente no seu e-mail.

Continue depois da publicidade

Continue depois da publicidade

Continue depois da publicidade

Programas

Continue depois da publicidade

Continue depois da publicidade

Continue depois da publicidade

Encontre as principais notícias e conteúdos técnicos dos segmentos de corte, leite, agricultura, além da mais completa cobertura dos leilões de todo o Brasil.

Encontre o que você procura: