Touros de central pelas provas de desempenho; ouça

As centrais de Inseminação Artificial estão trazendo animais para mensurar também eficiência alimentar e características de carcaça. Se forem bovinos com avaliação genômica, falamos de sérios candidatos à coleta.

Continue depois da publicidade

Dando sequência à reportagem “O que as centrais de inseminação artificial procuram?”, dessa vez tratamos de o que as provas de desempenho podem agregar na decisão de contratar um touro para disseminação de sua genética.

As raças mais competitivas no mercado têm, pelo menos, um certame agendado, anualmente. Dele saem jovens e promissores reprodutores.


Pensando no equilíbrio de características positivas avaliadas pelas Diferenças Esperadas de Progênie (DEPs), quando indivíduos que se destacam em provas de desempenho, não é diferente.

E-BOOK | DE OLHO NA SANIDADE DO REBANHO BRASILEIRO

Na Genex, a zootecnista Juliana Ferragute, gerente de Mercado Corte, defende o interesse da central diante das informações adicionadas aos indivíduos participantes.

Foto: Divulgação

OUÇA  os comentários de Juliana Ferragute

A opinião é compartilhada por Fernando Furtado Velloso, sócio-diretor da CRIO, central de IA com grande atuação no Sul do Brasil, mas importante fornecedora de genética taurina para o cruzamento industrial, no Centro-Norte.

E faz questão de valorizar a associação de ganho de peso com medidas de eficiência alimentar.

Foto: Arquivo pessoal

OUÇA  os comentários de Fernando Velloso

Fernanda Ferragute aprofunda a discussão, olhando um pouco mais os animais criados em pasto. “Eficiência alimentar é uma coisa que em teoria faz muito sentido, principalmente quando se fala de raças para trabalhar no cruzamento industrial, uma vez que um percentual alto deles terá terminação no cocho. É bom identificar bovinos que convertem melhor a dieta. São mais lucrativos”, explica.

Contudo, a gerente da Genex avalia que na raça Nelore é um pouco mais complexo o assunto. “Essa eficiência é mais difícil de mensurar, pois os animais que permanecem na fazenda são vacas em regime de pasto, muito mais complicado de medir e identificar. Atualmente, todas as provas são feitas em confinamento, o que pode representar uma base reduzida de amostragem para nosso processo seletivo de touros”.

Por outro lado, as características de carcaça mensuradas por ultrassonografia têm feito a diferença e passou a ser muito defendida. É o que Velloso salienta e vê como diferencial: a necessidade de produzir animais cada vez mais pesados, sem mexer com precocidade produtiva. Porém, “qualidade de carne, no Brasil, ainda é discussão de nichos de mercado”.

Já Fernanda Ferragute defende sobremaneira as mensurações de carcaça via ultrassom, pois elas não mostram apenas o desempenho frigorífico dos bovinos.

Outras características, como precocidade sexual, estão em jogo, muitas delas com alta herdabilidade, como Espessura de Gordura Subcutânea (EGS).

E se esses animais de melhor desempenho nas provas puderem ser acompanhados de boas avaliações de DEPs, ainda mais as genômicas, melhor. Para a gerente da Genex, “só interessam as DEPs genômicas, ou seja, fenótipos e mensurações tradicionais acompanhadas de DNA agregado. É assim que passamos a apostar junto com o criador”, explica.

Velloso, da CRIO, mantém o mesmo sentido e vê as avaliações a partir do DNA como reforço das características apuradas nas DEPs.

Para ele, esse reforço vale inclusive nas provas de desempenho, somando-se a todas as outras avaliações dos bovinos expostos que ainda levam itens de conformação, na hora de decidir.

OUÇA MAIS 

Quatro fatores para ponderar ao partir para ILPF

O que as centrais de inseminação artificial procuram?

Estudo técnico visa melhorar índices de reprodução de bovinos; ouça

Dia Mundial da Água: uma pecuária que faz a lição de casa

Quatro pontos de atenção na transição para a seca

Seis ações para minimizar falta de chuva fora de época

Mais UA/ha com a cultura do capim

Forrageiras para intensificar a pecuária e segurar a seca

Melhore o caixa da fazenda investindo em boas fêmeas

Melhoramento animal é decisivo na lucratividade

Na recria é que se ganha dinheiro com pecuária

Para ganhar mais com boi em 2024 (Parte III)

Uma luz vermelha na produção de leite bovino

Para o mercado de leilões, dias melhores virão

CONHEÇA E-DBO | A nova linha de e-books da DBO

Gostou? Compartilhe:
Destaques de hoje no Portal DBO

Continue depois da publicidade

Continue depois da publicidade

clima tempo

São Paulo - SP

max

Máx.

--

min

Min.

--

017-rain

--

Chuva

008-windy

--

Vento

Continue depois da publicidade

Colunas e Artigos

Continue depois da publicidade

Continue depois da publicidade

Leilões em destaque

Continue depois da publicidade

Newsletter

Newsletter

Jornal de Leilões

Os destaques do dia da pecuária de corte, pecuária leiteira e agricultura diretamente no seu e-mail.

Continue depois da publicidade

Vaca - 30 dias

Boi Gordo - 30 dias

Fonte: Scot Consultoria

Vaca - 30 dias

Boi Gordo - 30 dias

Fonte: Scot Consultoria

Continue depois da publicidade

Encontre as principais notícias e conteúdos técnicos dos segmentos de corte, leite, agricultura, além da mais completa cobertura dos leilões de todo o Brasil.

Encontre o que você procura:

Pular para o conteúdo