Mais UA/ha com a cultura do capim; ouça

Para muitos, o índice espelha a rentabilidade da bovinocultura de corte; trabalhar com mais animais na mesma área vem também com a maior qualidade das forragens que se oferece

Continue depois da publicidade

As braquiárias viabilizaram a pecuária bovina no cerrado brasileiro a partir do final da década de 1960. Contudo, muitas áreas começaram a se degradar já na década de 1990 e a produtividade caiu.

Paralelamente, a criação começou a sofrer concorrência com outras culturas, especialmente as de grãos, o que a pressionou melhorar sua rentabilidade.


Alessandro Oliva Coelho, presidente do Sindicato Rural de Campo Grande, Corguinho e Rochedo, municípios de Mato Grosso do Sul e que é um pecuarista, assistiu essa transformação e teve que se reinventar.

De família tradicional na pecuária de corte, os “Coelho”, ele, desde o início dos anos 2000, investiu na intensificação, tratando a pastagem como cultura agrícola. Em sua trajetória, muitos erros. Porém, foi mudando e hoje já não esconde sua satisfação.

Alessandro Oliva Coelho, presidente do Sindicato Rural de Campo Grande, Corguinho e Rochedo (Foto: Arquivo pessoal)

Coelho possui várias propriedades (Campo Grande, Nova Alvorada, Maracaju e Porto Murtinho), até com modelos diferentes, inclusive uma pequena para atividade leiteira. A que é motivo dessa reportagem é a Arandu e foi herdada do pai, Hamilton Lessa Coelho.

Com 2 mil hectares, faz pecuária de ciclo completo, contando até com confinamento próprio. Atualmente trabalha com 3 UA/ha, em média, índice bastante positivo para a região e seguro no enfrentamento da seca em anos mais severos. Mas há 20 anos era menos de 1 UA/ha.

OUÇA  os comentários de Alessandro Coelho

 

“Cuidar do capim de uma forma mais agronômica” merece atenção e paciência para acomodar o incremento do caixa com a capacidade de investimento (Foto: Arquivo pessoal)

Por outro lado, a aquisição de tecnologias é uma aliada, conforme matéria publicada na semana passada aqui no Portal DBO (Forrageiras para intensificar a pecuária e segurar a seca) sobre os benefícios das novas variedades.

 

 

A experiência de Alessandro Coelho empreendendo a tecnificação de sua produção leva em conta erros e acertos, além de muita pesquisa e assistência de profissionais competentes.

Foto: Arquivo pessoal

“Investir para mudanças com austeridade e segurança envolve estar cercado do máximo de conhecimento técnico e até científico; embora muitas vezes não haja o que fazer. É preciso desbravar”, reforça.

 

 OUÇA MAIS 

Forrageiras para intensificar a pecuária e segurar a seca

Melhore o caixa da fazenda investindo em boas fêmeas

Melhoramento animal é decisivo na lucratividade

Na recria é que se ganha dinheiro com pecuária

Para ganhar mais com boi em 2024 (Parte III)

Uma luz vermelha na produção de leite bovino

Para o mercado de leilões, dias melhores virão

Gostou? Compartilhe:
Destaques de hoje no Portal DBO

Continue depois da publicidade

Continue depois da publicidade

Continue depois da publicidade

clima tempo

São Paulo - SP

max

Máx.

--

min

Min.

--

017-rain

--

Chuva

008-windy

--

Vento

Continue depois da publicidade

Continue depois da publicidade

Colunas e Artigos

Continue depois da publicidade

Continue depois da publicidade

Leilões em destaque

Continue depois da publicidade

Newsletter

Newsletter

Jornal de Leilões

Os destaques do dia da pecuária de corte, pecuária leiteira e agricultura diretamente no seu e-mail.

Continue depois da publicidade

Vaca - 30 dias

Boi Gordo - 30 dias

Fonte: Scot Consultoria

Vaca - 30 dias

Boi Gordo - 30 dias

Fonte: Scot Consultoria

Continue depois da publicidade

Encontre as principais notícias e conteúdos técnicos dos segmentos de corte, leite, agricultura, além da mais completa cobertura dos leilões de todo o Brasil.

Encontre o que você procura:

Pular para o conteúdo