Mais carne no mercado doméstico

O escoamento no mercado interno tem feito sua parte “relativamente bem”. Apesar de quedas de preços, a quantidade vendida tem sido maior e, caso a oferta de gado dê trégua, há espaço para um cenário mais firme de preços ao longo do ano; CONFIRA a análise do médico veterinário Hyberville Neto, consultor e diretor da HN AGRO

Continue depois da publicidade

Por Hyberville Neto – consultor e diretor da HN AGRO

Considerando dados preliminares de abates de bovinos sob inspeção federal (SIF) no primeiro bimestre, houve aumento de 25,9% na comparação com o início de 2023.

As fêmeas tiveram um salto de 38,1%, enquanto os machos tiveram acréscimo, também relevante, de 18,5%, considerando o acumulado até fevereiro.


Em relação aos preços, entre janeiro e a parcial de março, houve recuo de 4,2% para a carcaça no atacado e de 6,7% para o boi gordo em São Paulo, com referências do Cepea.

A relação entre a carcaça e o boi gordo passou de 104,1% para 106,9% no mesmo intervalo. Essa relação indica que a venda da carcaça equivale ao valor do boi gordo mais 6,9%. Isso não indica necessariamente lucro ou prejuízo, porque não considera outros itens de custo ou venda dos cortes, mas mostra que o “espaço” para o resultado da indústria melhorou, considerando a venda de carcaças no mercado interno.

Nesta análise, o foco não é a margem em si, mas o movimento de queda maior para o boi gordo, frente aos preços de venda no atacado e, destes, em relação ao varejo.

Usando as variações mensais do IPCA-15, divulgado nesta terça-feira (26/3) pelo IBGE, na média dos cortes de bovinos, houve valorização de 1,3% em janeiro, recuo de 1,1% em fevereiro e estabilidade em março.

O boi gordo cedeu mais que o atacado e a cotação no varejo praticamente se manteve. A associação desses dados aos abates maiores indica que a situação do mercado do boi gordo está mais relacionada à oferta de gado que à falta de demanda.

Obviamente, em um cenário econômico melhor, o potencial de absorção de preços maiores pelo consumidor seria superior, mas a demanda não é o ponto principal do mercado no momento.

Se estamos com a produção em alta e preços se mantendo no varejo, quer dizer que, em alguma medida, essa carne a mais está sendo escoada.

As exportações têm ajudado, com recordes de volume em dezembro (maior volume da história), janeiro e fevereiro (recordes para cada mês).

Mesmo com exportações em alta, quando consideramos a produção estimada, menos as vendas externas de carne in natura, para uma conta simplificada de disponibilidade interna (DI), tivemos aumento de 25,5% da DI em relação ao primeiro bimestre de 2023 e de 4,9% na comparação com o último bimestre de 2023 (que tipicamente é de consumo melhor).

Veja a evolução da disponibilidade interna de carne bovina, considerando produção, com dados preliminares estimados pela variação dos abates SIF, e exportações de carne in natura.

Figura 1. Estimativas da disponibilidade interna de carne bovina, em mil toneladas equivalente carcaça (tec., eixo da direita) e variação em relação ao mesmo mês do ano anterior.  
Obs: para este cálculo foram utilizadas as principais variáveis (produção e exportações de carne in natura), não foram incluídas importações e carnes industrializadas ou salgadas. Fonte: MAPA / IBGE / Secex / HN AGRO

Considerações

Se temos um cenário de maior disponibilidade interna sendo escoada, ainda que com preços menores no atacado, é um indicativo de que o consumo, embora não esteja forte, tem feito sua parte, assim como as exportações têm ajudado em volume.

A grande questão fica a cargo da oferta, que começou o ano forte. Se houver uma trégua do lado da disponibilidade de gado para abate ao longo do ano, há espaço para preços mais interessantes e talvez o início de uma fase mais positiva para quem vende gado. Destaco que, no curto prazo, ainda temos a chegada da seca “para passar”.

Convite: Aproveitando o espaço, gostaria de deixar um convite para os pecuaristas de Goiás. Na próxima semana estarei em Goiânia (2/4) e Mineiros (4/4), participando dos eventos regionais da MFG Agropecuária. Apresentarei a visão da HN AGRO sobre o mercado da pecuária de corte e insumos, o professor Zequinha (UNESP Botucatu) vai tratar sobre tecnologias reprodutivas e a equipe da MFG e patrocinadores vão falar do desempenho na produção. Para mais informações e inscrição gratuita, acesse as redes sociais da MFG (@mfgconfinamentosbr).

Você gostou desta coluna? Tem alguma sugestão ou informação nova?  Por favor, me escreva no e-mail hyberville@hnagro.com.br.

VEJA TAMBÉM
Mercado impactou investimento em inseminação

Gostou? Compartilhe:
Destaques de hoje no Portal DBO

Continue depois da publicidade

Continue depois da publicidade

Continue depois da publicidade

clima tempo

São Paulo - SP

max

Máx.

--

min

Min.

--

017-rain

--

Chuva

008-windy

--

Vento

Continue depois da publicidade

Continue depois da publicidade

Colunas e Artigos

Continue depois da publicidade

Continue depois da publicidade

Leilões em destaque

Continue depois da publicidade

Newsletter

Newsletter

Jornal de Leilões

Os destaques do dia da pecuária de corte, pecuária leiteira e agricultura diretamente no seu e-mail.

Continue depois da publicidade

Vaca - 30 dias

Boi Gordo - 30 dias

Fonte: Scot Consultoria

Vaca - 30 dias

Boi Gordo - 30 dias

Fonte: Scot Consultoria

Continue depois da publicidade

Encontre as principais notícias e conteúdos técnicos dos segmentos de corte, leite, agricultura, além da mais completa cobertura dos leilões de todo o Brasil.

Encontre o que você procura:

Pular para o conteúdo