Bayer aposta na Agenda do Carbono

Multinacional alemã que completa 125 anos no Brasil refina suas parcerias com produtores, em busca de sustentabilidade nos processos produtivos

Continue depois da publicidade

A Bayer reuniu na tarde desta quarta-feira (27/1) os principais executivos das divisões de agronegócio, fármacos e saúde do consumidor para mostrar quais os critérios que devem nortear os passos da companhia no próximo período. A multinacional alemã, que completa 125 anos no Brasil e que faturou globalmente  € 43,5 bilhões em 2019, tem o País como um de seus principais alvos.

No caso do agro, do total global, € 19,8 bilhões vieram de sua divisão Crop Science, com crescimento puxado pela América Latina. Os dados de 2020 devem sair nos próximos meses. “A pandemia ensinou ao mundo que é preciso parar”, disse Marc Reichardt, presidente do Grupo Bayer no Brasil. “A busca é por soluções conjuntas”. Para o executivo, este é o momento de “ampliar parcerias para entender as expectativas da sociedade”.


Marc Reichardt, presidente do Grupo Bayer no Brasil. Foto: divulgação

Na divisão CropScience, muito do que a Bayer pretende está em um amplo guarda-chuvas da chamada Agenda do Carbono, ligada à busca por sustentabilidade nos processos produtivos. “Colocar a agricultura como modelo de sustentabilidade, indo além e avançar em novos modelos de negócio”, afirma a agrônoma Malu Nachreiner, presidente da divisão agrícola da multinacional.  

Sem detalhar quanto de investimento em pesquisa estão sendo empregados no Brasil – o total global são € 2,3 bilhões –a empresa aposta em tecnologias escaláveis e de baixo custo para o produtor. O projeto mais recente é o início de um piloto de compra de carbono de propriedades rurais. De acordo com a companhia, 450 produtores de soja aderiram à iniciativa em apenas 15 dias. “Com o plantio da safra 2020/2021 terminado, já temos 80 mil análises realizadas”, afirma Eduardo Bastos, diretor de sustentabilidade da Bayer para América Latina. “Nosso compromisso é de 10 anos com os produtores.” 

A agrônoma Malu Nachreiner, presidente da divisão agrícola da multinacional, diz que carbono é prioridade. Foto: divulgação

Mateus Barros, líder de Digital & Novos Modelos de Negócios, cargo criado recentemente na companhia para tratar de um amplo segmento, que vai de Carbono e OBP (Outcome Based Price), a  inovação e pequenas propriedades, diz que a meta é ampliar a massa crítica de produtores integrados e validar as práticas agronômicas.

Para isso, um dos principais parceiros da companhia é a Embrapa, que já vem estudando e montando modelos matemáticos para a cadeia de carbono. Um dos exemplos é a metodologia para a Carne Carbono Neutro (CCN), a mais avançada e já apresentada pela instituição. Mas há outras cadeias, como a do arroz, soja e também a certificação de propriedades, independentemente da cultura produzida.

 

Gostou? Compartilhe:
Destaques de hoje no Portal DBO

Continue depois da publicidade

Continue depois da publicidade

clima tempo

São Paulo - SP

max

Máx.

--

min

Min.

--

017-rain

--

Chuva

008-windy

--

Vento

Continue depois da publicidade

Colunas e Artigos

Continue depois da publicidade

Continue depois da publicidade

Leilões em destaque

Continue depois da publicidade

Newsletter

Newsletter

Jornal de Leilões

Os destaques do dia da pecuária de corte, pecuária leiteira e agricultura diretamente no seu e-mail.

Continue depois da publicidade

Vaca - 30 dias

Boi Gordo - 30 dias

Fonte: Scot Consultoria

Vaca - 30 dias

Boi Gordo - 30 dias

Fonte: Scot Consultoria

Continue depois da publicidade

Encontre as principais notícias e conteúdos técnicos dos segmentos de corte, leite, agricultura, além da mais completa cobertura dos leilões de todo o Brasil.

Encontre o que você procura:

Pular para o conteúdo