Paulo Dias, CEO da Ponta: “Oferecemos gestão da informação, mas o nosso ator principal é o boi”

A GA+Intergado agora se chama Ponta, cuja marca estreou no mercado já com o peso de ser uma das maiores referências em inteligência para a pecuária. Confira nesta entrevista as atuais apostas da empresa para ajudar as fazendas a exercerem uma gestão cada vez mais sustentável
Paulo Dias, CEO da Ponta: “A partir da fusão, vimos que tínhamos nas mãos todos os recursos para conectar toda a cadeia”

Informação de qualidade baseada em dados consistentes é algo cada vez mais vital, estratégico e decisivo para a pecuária moderna. Afinal, decisões precisam ser tomadas a todo instante e a linha que separa um passo respaldado e consciente de um passo “no escuro” é o que determina a saúde financeira de um negócio. A boa notícia é que o produtor pode contar com um ecossistema cada vez mais robusto de fornecedores que, de forma permanente, está se mobilizando para ajudar a pecuária a aperfeiçoar a sua gestão. Um bom exemplo parte da Ponta, companhia que é fruto de uma fusão efetivada em dezembro de 2021 entre a paranaense Gestão Agropecuária e a mineira Intergado.

Conforme DBO noticiou, a nova marca da empresa, que desde a fusão atendia pelo provisório nome de GA+Intergado, foi apresentada recentemente, no dia 12 de abril, durante o Encontro de Confinamento e Recriadores da Scot Consultoria, em Ribeirão Preto (SP). Na ocasião, a Ponta também lançou a primeira solução desenvolvida após a realização da fusão — o DietScanner, ferramenta inovadora que usa visão computacional para realizar a leitura do cocho.


A Ponta está presente em nove países e é responsável pela gestão de mais de R$ 22 bilhões em ativos, considerando apenas o valor dos animais gerenciados que, juntos, somam mais de 7 milhões de cabeças por ano. Mais da metade desses animais estão presentes em confinamentos — um dos principais segmentos de atuação da Ponta. Atualmente, a companhia atende 68% do mercado de confinamento no País.

Nesta entrevista concedida à DBO pelo CEO da Ponta, Paulo Dias, ele detalha como a união das duas forças está impactando o dia a dia da pecuária e de que maneira opera a nova solução apresentada pela companhia. Além disso, ele fala também do foco da empresa em conectar toda a cadeia por meio de dados e informações seguras e de qualidade.

Quais foram as motivações que resultaram na união entre GA e Intergado, cuja empreitada viabilizou o nascimento da Ponta?

O cerne principal dessa fusão compreende os objetivos trilhados para o mesmo lugar. As duas empresas exerciam a missão de gerar informações confiáveis para a pecuária.

No entanto, isso era trilhado pelas duas empresas, de forma paralela, com diferentes tecnologias e focos, com cada marca atuando em uma ponta da cadeia. A Intergado atuava no campo da pecuária de precisão e do melhoramento genético e a GA, por sua vez, trabalhava com plataforma de gestão de processos, por meio de softwares e produtos que faziam a automação dos negócios, especialmente da pecuária intensiva. Mas o fim sempre foi o mesmo, de gerar informação de qualidade e segura para respaldar a constante tomada de decisões. Em dado momento, percebemos que as duas empresas possuíam muita sinergia e que, juntas, teriam ainda mais força e condições de contribuir com a operação e a gestão sustentável da pecuária. A partir da fusão, vimos que tínhamos nas mãos todos os recursos para conectar toda a cadeia e encurtar a distância entre o avanço científico e o resultado produtivo.

Na prática, como a fusão entre GA e Intergado está impactando os negócios da Ponta?

A fusão deu robustez para a companhia, pois passamos a ter um portfólio integrado de soluções para gerar informação para todas as frentes de um negócio pecuário. Isso se traduz em melhor presença de mercado, pois GA e Intergado estavam presentes em muitas fazendas, mas não necessariamente nas mesmas. Agora, temos condições de levar todo o portfólio aos clientes que eram atendidos pelas duas marcas e que agora estão sob o mesmo “guarda-chuva”. No total, são cerca de 550 propriedades que, de forma preponderante, lidam com uma pecuária mais intensiva. A oportunidade que temos é que estamos no ciclo todo da pecuária. E nesse ciclo a gente se sente responsável em fazer a união da cadeia de forma sustentável. Nosso desafio é integrar melhoramento genético com a produção. Agora, temos solução para todas as áreas e conseguimos gerar informação para a cadeia inteira, o que torna a nossa responsabilidade muito grande.

Junto com sua nova marca, a Ponta também lançou o Diet Scanner, solução que usa visão computacional para automatizar a leitura do cocho, mitigando as falhas humanas

E para os produtores? Em quase um ano e meio de fusão, qual balanço já é possível fazer?

Trabalhando com dados, aprendemos que a informação desconectada não vale nada, pois ela fica perdida. Dado ao crescimento tecnológico no mundo inteiro, vimos que a grande fragilidade da cadeia é não ter essa informação conectada. E o que a gente quer é conectar a cadeia como um todo. Nosso anseio é que o cliente não venda apenas a carne, mas que venda a carne com informação nela contida, a respeito de tudo o que envolveu a sua produção — e que essa produção seja, de fato, eficiente. Fizemos um levantamento recente que apontou que o custo alimentar nos confinamentos chegou a 89% em 2022. Por isso, ter animais mais eficientes e produtivos pode garantir a margem da fazenda. A partir dessa visão integrada da cadeia, a Ponta atua na pesquisa e na genética, promovendo o aumento da seleção para eficiência alimentar por meio da automatização das provas para ajudar os criadores a abastecerem o mercado produtor com animais de alto desempenho e que consomem menos alimento. Contudo, animais eficientes submetidos a um processo produtivo ineficiente não expressam seu potencial de desempenho. A solução para o problema está na automatização dos processos que envolvem a nutrição animal.

Qual foi a inspiração para a escolha do novo nome da companhia?

A nova marca nasce num momento em que GA+Intergado consolidaram a integração da inteligência de gestão e de precisão, com um amplo portfólio de tecnologias presentes na pesquisa, na genética e na produção, conectando a cadeia pecuária de ponta a ponta. O nome resgata a tradicional figura do ponteiro que, assim como a tecnologia de ponta, usa seu conhecimento e sua experiência para abrir caminho seguro para a boiada avançar e a pecuária crescer. A partir da fusão, fizemos um estudo de percepção de ambas as marcas e de como deveria ser a nova marca, no sentido de traduzir os nossos propósitos. Então, a escolha do novo nome está atrelada à operação do dia a dia dentro das fazendas pecuárias, mas, mais do que isso, é por estarmos na ponta da vanguarda tecnológica para que o ambiente pecuário possa lidar com menos desafios. Além disso, como atuamos em outros países, também tivemos a preocupação de a marca ser de fácil entendimento lá fora.

Em resumo, o que a Ponta fornece de informação e inteligência para seus clientes?

Focamos na sustentabilidade econômica dos nossos clientes. O resto é uma variação desse objetivo macro. Conectamos o financeiro, o zootécnico e a contabilidade — um fluxo em que atuamos muito fortemente. A gente auxilia para que essas informações fiquem conectadas e disponíveis, gerando uma visão relevante e real do negócio. Quando isso não acontece, o cliente fica perdido. Por exemplo, ele fica suscetível em focar apenas no ganho, mas sem ter clareza se este ganho está gerando lucro e se um eventual lucro está compatível com a contabilidade. Importante acrescentar que oferecemos gestão da informação, mas o nosso foco é no animal. O nosso ator principal é o boi. A nossa expertise é traduzir o que esse boi está sentindo e, consequentemente, se ele está bem e preparado para gerar lucro.

Ponta apresentou sua marca ao setor pecuário durante evento promovido pela Scot Consultoria. Empresa atende 68% do mercado de confinamento no País

E como se dá essa missão de traduzir o que o boi está “sentindo”?

A resposta passa pelo conhecido fluxo de pessoas, processos e tecnologias, amparado por uma gestão consistente. Por exemplo, enquanto no modelo tradicional de confinamento, de modo geral, se pesa o animal na entrada e na saída, com nossa balança de precisão pesamos cerca de 400 vezes o mesmo animal para poder entender a sua evolução ou carências, de modo a subsidiar todo o processo produtivo. E o processo de enxergar o boi passa por enxergar as pessoas que estão em contato com ele ao longo de todo o ciclo produtivo. Então, a gente traduz o que boi está falando para que o cliente possa tomar decisões que impactem o negócio dele.

Com relação ao desenvolvimento do DietScanner, como ocorre o seu funcionamento e quais as vantagens e diferenciais dessa solução?

O DietScanner usa a visão computacional para fazer uma leitura de cocho automatizada, trazendo mais precisão ao processo ao tirar a subjetividade do olhar humano na interpretação visual do escore de cocho. A nova solução atua diretamente em uma das rotinas mais sensíveis para o ajuste de trato, com impacto direto na redução de custos da nutrição e na meta de desempenho dos animais. Ela reduz os riscos de uma leitura mal feita e ainda mitiga o impacto da rotatividade de mão de obra. Nesse primeiro momento, o produto está adaptado para confinamento. Mas há evoluções previstas que poderão atender outros ambientes. De forma prática e resumida, o DietScanner consiste em uma avançada câmera acoplada em um carro. Conforme ele transita ao lado do cocho, vai mapeando-o, como um radar. A câmera de visão computacional é de alto nível, justamente para poder fazer a coleta e interpretação das informações com muita responsabilidade, com base na volumetria do cocho. Isso é feito por algoritmo, que informa a porcentagem de ocupação de ração no cocho. Assim, fazemos a conversão desse volume de comida para um escore definido pela fazenda, para prever a quantidade de alimento que deve ser preparado e oferecido no dia.

Por que a correta leitura de cocho é tão estratégica para uma fazenda, especialmente quando se trata de um sistema intensivo de produção?

A leitura de cocho dentro de um sistema intensivo pauta o dia a ser trabalhado, ou seja, ele faz a predição de uma ordem de produção para que tudo funcione a contento. Quando isso não acontece, a oferta de alimento pode ficar desequilibrada considerando as reais necessidades dos animais. Assim, o boi começa a responder negativamente dentro do processo e a correção desse quadro leva alguns dias. A leitura precisa do cocho é importante para entender com o boi está e para mostrar para a fábrica o que precisa ser produzido e quando deve ser ofertado aos animais. Faz com que o processo de dimensionamento do que precisa ser produzido seja automático. O animal requer rotina e ela é quebrada quando os processos são falhos.

Assista o vídeo de lançamento da marca Ponta clicando aqui

 

Gostou? Compartilhe:
Destaques de hoje no Portal DBO

Continue depois da publicidade

Continue depois da publicidade

clima tempo

São Paulo - SP

max

Máx.

--

min

Min.

--

017-rain

--

Chuva

008-windy

--

Vento

Continue depois da publicidade

Colunas e Artigos

Continue depois da publicidade

Continue depois da publicidade

Leilões em destaque

Continue depois da publicidade

Newsletter

Newsletter

Jornal de Leilões

Os destaques do dia da pecuária de corte, pecuária leiteira e agricultura diretamente no seu e-mail.

Continue depois da publicidade

Vaca - 30 dias

Boi Gordo - 30 dias

Fonte: Scot Consultoria

Vaca - 30 dias

Boi Gordo - 30 dias

Fonte: Scot Consultoria

Continue depois da publicidade

Encontre as principais notícias e conteúdos técnicos dos segmentos de corte, leite, agricultura, além da mais completa cobertura dos leilões de todo o Brasil.

Encontre o que você procura:

Pular para o conteúdo