OUÇA 🎧 | Se vai terminar, fique atento às fontes de proteína na sua região

A diversidade da produção agrícola brasileira pode oferecer boas alternativas na hora de planejar seu período de engorda, tanto no confinamento quanto no pasto

Continue depois da publicidade

Mesmo com as modestas reduções nas cotações do milho e da soja, ainda vale a pena conhecer outras fontes proteicas para formular a dieta dos bovinos de corte na terminação intensiva ou semi-intensiva para diminuir os custos de produção.

Afinal quem não quer aumentar a lucratividade?


Com essa visão, Rodrigo da Costa Gomes, pesquisador em Nutrição Animal da Embrapa, unidade de Campo Grande (Centro Nacional de Pesquisa de Gado de Corte, CNPGC, MS) e também professor da Universidade Estadual de Londrina (UEL, PR), apresenta uma série de ingredientes alternativos para o pecuarista procurar em sua região.

Foto: Arquivo pessoal

OUÇA 🎧 os comentários de Rodrigo Gomes

Subprodutos do milho – Há alguns anos vêm se destacando os grãos secos de destilaria de etanol a partir do milho.

Vale ficar de antenas ligadas para este tipo de oferta, porque é uma indústria crescente em percentuais acima de dois dígitos, principalmente no Brasil Central, onde há muita oferta do cereal.

DDG

Há dois subprodutos básicos dessa usinagem. Um é mais proteico e substitui bem o farelo de soja no arraçoamento.

É o que conhecemos como DDG 30. Contudo há o DDG 16, com teor de proteínas mais baixos, porém bastante recomendado para terminação em regime de pastejo.

Esse subproduto conciliar alta quantidade teor de energia e proteína compatível à ureia e farelo de soja. Mas Gomes atenta para alta concentração de potássio e enxofre, podendo demandar uma mineralização mais específica.

Subprodutos da soja – A casca de soja é um dos importantes. Trata-se de um ingrediente que substitui o milho, em até 50%, fornecendo bastante energia e ainda reduzindo a quantidade de amido, o que melhora a saúde ruminal dos animais, sensivelmente, tornando a dieta mais segura.

Casca de soja

O outro subproduto são as “bandinhas de soja” ou “resíduos da soja”, resultados da pré-limpeza dos grãos na armazenagem. Eles são ricos em soja quebrada, vagens e outras estruturas vegetais. Seu teor proteico pode variar de 15 a 20% e podem ser encontrados por preços mais em conta.

Resíduo de soja

Porém, o pesquisador alerta para a origem do ingrediente, quanto a contaminantes, principalmente terra, já que ele pode ter sido originado a partir da varredura do chão da indústria. Recomenda-se que ele integre em até 15% a composição da ração.

Subprodutos do algodão – Da indústria do algodão vem um ingrediente bastante conhecido na bovinocultura de corte. Por sua oleosidade, o caroço de algodão tem alto teor de energia e também de proteína.

Caroço de algodão

Seu uso permite considerável redução do uso de farelo de soja e do milho, na dieta. Mas em função do seu próprio óleo não se recomendo que componha mais de 15% da ração.

Torta de algodão

O outro subproduto é a torta de algodão, originada a partir da extração parcial do óleo do caroço. Também apresenta altos teores de energia e proteína, cerca de 30% e de 34 a 40%, respectivamente, dependendo do processo industrial. É um ingrediente mais acessível em regiões de exploração da cultura.

Outros subprodutos – Em regiões das culturas cítricas (laranja, limão etc), a oferta é de polpa cítrica, com destaque para a peletizada que dispensa processos de secagem para o armazenamento.

Ela também substitui o milho, mantendo o nível energético alto e fornecendo a pectina, um ingrediente de “grande sinergia” com o amigo oriundo do milho, sorgo ou aveia. Pode substituir de 30 até 50% do milho na dieta.

Polpa cítrica peletizada

Outro resíduo que pode entrar no arraçoamento é o da cervejaria. É conhecido como cevada úmida, apresentando alto teor de energia e “algum valor” proteico, conforme enfatiza Gomes. Pode substituir parcialmente o milho e o farelo de soja. Alguns cuidados devem ser tomados.

Resíduo de cervejaria

Um deles é o custo do transporte, já que pela umidade, o volume é maior do que o de outros produtos. Também é crítica a armazenagem, já que a forma fresca (poucos dias de produção) oferece o melhor aproveitamento animal. E também pela geração de micotoxinas, responsáveis em potencial pela ocorrência de problemas digestivos.

O pesquisador da Embrapa Rodrigo Gomes conclui observando algumas ponderações sobre o uso de volumosos na terminação.

 

 

OUÇA TAMBÉM 🎧 | PodCarne: Emissão de Metano na Pecuária

Gostou? Compartilhe:
Destaques de hoje no Portal DBO

Cadastre-se de gratuitamente na Newsletter DBO:


    Continue depois da publicidade

    Continue depois da publicidade

    Continue depois da publicidade

    clima tempo

    São Paulo - SP

    max

    Máx.

    --

    min

    Min.

    --

    017-rain

    --

    Chuva

    008-windy

    --

    Vento

    Continue depois da publicidade

    Continue depois da publicidade

    Colunas e Artigos

    Continue depois da publicidade

    Continue depois da publicidade

    Leilões em destaque

    Continue depois da publicidade

    Newsletter

    Newsletter

    Jornal de Leilões

    Os destaques do dia da pecuária de corte, pecuária leiteira e agricultura diretamente no seu e-mail.

    Continue depois da publicidade

    Vaca - 30 dias

    Boi Gordo - 30 dias

    Fonte: Scot Consultoria

    Vaca - 30 dias

    Boi Gordo - 30 dias

    Fonte: Scot Consultoria

    Continue depois da publicidade

    Encontre as principais notícias e conteúdos técnicos dos segmentos de corte, leite, agricultura, além da mais completa cobertura dos leilões de todo o Brasil.

    Encontre o que você procura:

    Pular para o conteúdo