Explorando o potencial das silagens de Capiaçu e Mombaça na alimentação de bovinos

autores:

Barbara de Sousa Mota Neta

Barbara de Sousa Mota Neta

Zootecnista parte do corpo técnico da 3rlab.

Marcelo Hentz Ramos

Marcelo Hentz Ramos

Médico veterinário parte do corpo técnico da 3rlab.

A utilização desses capins pode ser uma estratégia viável para produtores de gado em regiões tropicais, oferecendo uma fonte de volumoso de alta produtividade

Atualmente, grande parte dos animais no Brasil são terminados em sistemas extensivos a pasto. Segundo a Associação Brasileira das Indústrias Exportadoras de Carnes, em 2022, foram abatidos 42,31 milhões de cabeças, mas apenas 18,2% foram terminadas em confinamento (Beef Report 2023).

No entanto, a estacionalidade da produção das forrageiras gera entraves relacionados ao fornecimento de alimentos para animais em períodos de escassez de forragem. Desta forma, é necessário a busca por estratégias que permitam conservar a forragem para que, nesse período desafiador, a escassez de alimento e baixa qualidade dos pastos não prejudique o desempenho dos animais, tornando-se necessário buscar outros meios para suprir a alimentação dos animais.

As variedades de capim mais comuns utilizadas para silagem são o capim Capiaçu, que é um cultivar de capim-elefante, e o capim Mombaça, que é uma cultivar do Panicum maximum. Ambos apresentam porte alto, se destacando pela alta produtividade (entre 30 e 60 t MS/ha) e pelo valor nutritivo, apresentando um menor custo de produção de matéria seca quando comparado ao milho.

Além da alta produtividade, as silagens de capim se destacam pelo valor nutritivo que podem variar de acordo com o estágio de crescimento, condições de cultivo, manejo e outros. Quando comparamos a média de MS, FDN e PB das amostras analisadas em 2023 pelo Laboratório 3rlab (Tabela 1), verificamos que esses alimentos se destacam, principalmente, pelo teor de fibra, se mostrando uma excelente opção para o período de escassez de alimentos.

Na tabela 2, comparamos a digestibilidade tradicional da FDN (%MS) em até 240 horas das amostras analisadas, e verificamos que a silagem de Capiaçu apresentou maior digestibilidade em relação à silagem de Mombaça (in vitro).

*dDFNt: Digestibilidade tradicional da FDN %MS

A avaliação da digestibilidade da FDN é essencial para entender a eficiência do uso de forragens pelos animais, influenciando diretamente a capacidade do bovino em extrair nutrientes do alimento.

Portanto, a utilização de silagens de Capiaçu e Mombaça pode ser uma estratégia viável para produtores de gado em regiões tropicais, oferecendo uma fonte de volumoso de alta produtividade e boa qualidade nutricional quando manejadas corretamente.

Leia também:

A DBO Editores Associados, fundada em 1982, sempre se caracterizou como empresa jornalística totalmente focada na agropecuária. Seu primeiro e principal título é a Revista DBO, publicação líder no segmento da pecuária de corte. Sua atuação no digital abrange as mídias sociais, canal do Youtube e o Portal DBO, plataforma rica em conteúdo especializado em texto, áudio e vídeo para a pecuária, como reportagens, entrevistas, artigos técnicos, cotações, análises de mercado e cobertura dos leilões em todo o País.

Todos direitos reservados @ 2019 | Rua Dona Germaine Burchard, 229 | Bairro de Perdizes, São Paulo-SP

Encontre as principais notícias e conteúdos técnicos dos segmentos de corte, leite, agricultura, além da mais completa cobertura dos leilões de todo o Brasil.

Encontre o que você procura: