Ciclo pecuário: tendências entre os principais atores mundiais

Agrifatto faz um resumo do cenário de oferta, produção, consumo e estoques de carne bovina no Brasil, EUA, Austrália e Argentina

Continue depois da publicidade

Enquanto no Brasil a produção pecuária bate recorde atrás da recorde, o mesmo não pode ser dito dos EUA, relata a Agrifatto, que fez um balanço resumido do atual comportamento do ciclo pecuário em alguns dos principais atores mundiais do setor da bovinocultura de corte – além dos dois países, a consultoria apontou dados da Austrália e da Argentina.

Os norte-americanos fecharam 2023 com uma produção de 12,29 milhões de toneladas, 599 mil toneladas a menos do que em 2022 e a menor produção desde 2017.


“A expectativa do Departamento de Agricultura dos EUA (USDA) para 2024 é de mais uma nova redução na produção, dessa vez com uma queda anual de 391 mil toneladas sobre 2023, chegando a um total de 11,90 milhões de toneladas, o que seria a menor oferta desde 2016”, observa a Agrifatto.

A queda de 1 milhão de toneladas na produção de carne bovina norte-americana entre 2022 e 2024 está atrelada principalmente à redução do rebanho bovino norte-americano (menos animais, menos carne produzida).

Desde 2018, o rebanho de bovinos nos EUA vem caindo e deve fechar 2024 no menor nível da história, com 87,4 milhões de cabeças.

VEJA TAMBÉM | Estoque de gado nos Estados Unidos atinge nível mais baixo desde 1951

Os motivos iniciais que levaram a redução do rebanho de bovinos nos EUA foram os preços “ruins” do bezerro e do boi gordo entre 2018 e 2020, justifica a Agrifatto.

No entanto, as cotações desses animais vem subindo vertiginosamente desde 2021 e ainda assim não houve perspectiva de aumento no rebanho de bovinos nos EUA, devido sobretudo ao fator climático.

Segundo recorda a Agrifatto, em 2020, as condições de pastagens nos EUA terminaram o ano no pior nível desde 2012. “O problema é que isso não terminou em 2020; durante os anos de 2021 e 2022 essas condições continuaram péssimas”, lembra a consultoria.

Diante de tal condição, o pecuarista norte-americano foi “obrigado” a encaminhar os seus animais (inclusive fêmeas) para a linha de abate.

Austrália – Em um contexto relativamente parecido com o Brasil, mas um pouco mais “atrasado”, a pecuária australiana fechou 2023 com um aumento considerável no volume de bovinos abatidos no país, puxado pelas fêmeas, informa a Agrifatto.

Foram 5,18 milhões de cabeças abatidas entre janeiro e setembro de 2023, 18,09% a mais do que o registrado no mesmo período de 2022, acrescenta.

Mercado com HN Agro | Ciclo pecuário: sinais de um horizonte melhor

As fêmeas, continua a Agrifatto, tiveram um incremento de 28,12% no total abatido em 2023, chegando a 2,42 milhões de cabeças e uma participação de 46,71% do total.

“Ou seja, os pecuaristas australianos começaram a aumentar a liquidação das suas fêmeas e, com isso, tomam um rumo de fechar 2024 já com uma participação das fêmeas sobre o abate total acima da média histórica”, relata a consultoria.

Argentina – As problemáticas fora e dentro da porteira continuam na Argentina, observa a Agrifatto. O país vizinho fechou 2023 com o maior abate de bovinos da história, encaminhando para os ganchos 14,5 milhões de cabeças.

“Isso ajudou para que as exportações de carne bovina do país batessem recorde e o consumo interno de carne bovina voltasse a ficar acima dos 50 kgs hab/ano”, destaca a consultoria.

No entanto, a produção cresceu graças ao aumento no abate de fêmeas – de janeiro a novembro, avançou 16,38% no comparativo com 2022 e atingiu o maior patamar desde 2009, informa a Agrifatto.

“Com isso, a participação das fêmeas sobre o total abatido chegou a 48,25%, o maior nível desde 2019 e 3,75 pontos percentuais acima da média histórica”, acrescenta a consultoria.

ARTIGO | Ciclo pecuário: a oportunidade da “virada”

Segundo os analistas da Agrifatto, há um indicativo de que as margens para a atividade pecuária estão mais apertadas na Argentina, o que favorece o descarte de fêmeas.

“Porém, os reajustes constantes da taxa de câmbio complicam a visão completa sobre a situação da pecuária argentina neste momento, mas os preços da pecuária estão longe das suas máximas, o que pode ser um indicador de que o descarte (de fêmeas) ainda está ocorrendo e, no longo prazo, uma fase de retenção se aproximará”, observa a consultoria.

Confira abaixo um resumo da situação de cada país:

  • Brasil

Foto: Divulgação

# Maior produção de carne bovina da história;

# Abate de bovinos atinge maior patamar desde 2014 e pode ser ainda maior em 2024;

# Abate de fêmeas cresce mais de 25% e é o propulsor da produção recorde brasileira;

# Margem da cria ainda não estimula a retenção.

 

  • EUA

# Menor rebanho da história;

# Pecuaristas norte-americanos ainda não começaram a reter fêmeas;

#Problema de oferta nos EUA se estenderá no mínimo até 2025.

 

  • Austrália

Foto: Pixabay

# Abate volta a crescer e puxa preços domésticos da carne bovina para baixo;

# Diferença de preços entre EUA x Austrália atinge maior nível da história.

 

  • Argentina

# Participação das fêmeas no abate argentino é a maior desde 2019;

# Preocupações com inflação e preços ainda são latentes.

 

Produção de carne bovina / previsão USDA – Agrifatto (milhões/t)

                   2022     2023      2024      (2024 versus 2023)

EUA          12,89       12,29      11,90               -3,1%

Brasil         10,35       10,56     10,84             +2,6%

Argentina  3,14          3,30        3,03             -8,2%

Austrália   1,88          2,22         2,35              +6,1

 

Consumo de carne bovina

                  2022         2023        2024     (2024 versus 2023)

EUA          12,80         12,65           12,36          -2,3%

Brasil         7,52           7,72            7,92           +2,6%

Argentina  2,32          2,43             2,13           -12,1%

Gostou? Compartilhe:
Destaques de hoje no Portal DBO

Continue depois da publicidade

Continue depois da publicidade

clima tempo

São Paulo - SP

max

Máx.

--

min

Min.

--

017-rain

--

Chuva

008-windy

--

Vento

Continue depois da publicidade

Colunas e Artigos

Continue depois da publicidade

Continue depois da publicidade

Leilões em destaque

Continue depois da publicidade

Newsletter

Newsletter

Jornal de Leilões

Os destaques do dia da pecuária de corte, pecuária leiteira e agricultura diretamente no seu e-mail.

Continue depois da publicidade

Vaca - 30 dias

Boi Gordo - 30 dias

Fonte: Scot Consultoria

Vaca - 30 dias

Boi Gordo - 30 dias

Fonte: Scot Consultoria

Continue depois da publicidade

Encontre as principais notícias e conteúdos técnicos dos segmentos de corte, leite, agricultura, além da mais completa cobertura dos leilões de todo o Brasil.

Encontre o que você procura:

Pular para o conteúdo