logo_portal_2023

Desbravando fronteiras

Valdemar Antoniolli, um pioneiro na região de Sinop, superou desafios como a falta de opções forrageiras e a seca para transformar sua fazenda em um negócio rentável de pecuária
Valdemar Antoniolli (na foto, com os filhos Juliano e Giovani), é um dos pioneiros que migrou para o MT e contribuiu para o desenvolvimento regional.

Por Renato Villela

Quem chega a Sinop – cidade de quase 200.000 habitantes, hoje sinônimo de pujança do agronegócio – mal consegue imaginar que suas largas e movimentadas avenidas um dia foram meros caminhos de terra batida. Foi esse o cenário que Valdemar Antoniolli, 75 anos, proprietário da Fazenda Platina, no município vizinho de Santa Carmen (MT), encontrou quando desembarcou por lá em 1981, levando consigo a família e o sonho de uma vida mais próspera. 


Sócio de uma madeireira em Ponta Porã (MS), Antoniolli tinha em mente abrir uma nova frente de trabalho. Gaúcho de Nova Prata (RS), percorreu caminho semelhante ao de muitos de seus conterrâneos na década de 80, que deixaram os Pampas em direção à nova fronteira agropecuária do Centro-Oeste. A estiagem longa do Brasil Central e a falta de opções forrageiras o assustaram num primeiro momento. “Só tinha braquiária humidícola e colonião na região. A seca durava seis meses. Pensei: aqui não é lugar de criar gado”, recorda Antoniolli. 

Mas era. E a decisão viria alguns anos mais tarde, encorajada pelo pelo surgimento do Braquiarão (Brachiaria brizantha cv Marandu), capim lançado pela Embrapa, em 1984, e que, junto com o Zebu, revolucionou a pecuária no Centro-Oeste. “Comecei a formar as pastagens em 1987”, conta. As terras tinham baixa fertilidade, as invasoras disputavam espaço com o capim e a suplementação apenas engatinhava, o que tornava árdua a tarefa de engordar gado a pasto. “Era o tempo do boi-sanfona, que engordava nas águas e emagrecia na seca, quando não morria. Foi difícil, mas a gente não podia se dar por derrotado, tinha de insistir”, conta Antoniolli, que representa, nesta reportagem, uma leva de pioneiros que ajudou a gerar os excedentes de produção que, mais tarde, transformariam o Brasil no maior exportador de carne do mundo.  

A perseverança caminhou junto com a inovação. No final dos anos 90, a fazenda iniciou o que se tornaria a base de seu sistema produtivo: a integração lavoura-pecuária (ILP). Dos 2.400 ha abertos, 1.080 são ocupados por pastagens perenes e 1.320 por soja no verão, seguida de milho-safrinha e pastos temporários. Atualmente, a propriedade dedica-se exclusivamente à cria, com um rebanho de 2.200 matrizes, e está entre as Top 30 mais rentáveis do Benchmarking Inttegra. Graças à ILP, há pasto de sobra na seca, o que lhe permite, inclusive, realizar a estação de monta nos meses de junho, julho e agosto, algo impensável 40 anos atrás. “Hoje, nosso desafio maior é nas águas, porque reduzimos a área de pasto para colocar a lavoura”, diz o produtor, que administra a propriedade com os filhos Giovani e Juliano Antoniolli.    

TRAJETÓRIAS DE SUCESSO

Um representante dos Pampas

Joaquim Mello, um gaúcho pioneiro de 76 anos, superou desafios transformando a pecuária gaúcha ao implementar melhorias genéticas, nutrição e integração lavoura-pecuária

Leia mais »

Desbravando fronteiras

Valdemar Antoniolli, um pioneiro na região de Sinop, superou desafios como a falta de opções forrageiras e a seca para transformar sua fazenda em um negócio rentável de pecuária

Leia mais »

Legado de produtividade

O produtor Bruno Aurélio Ferreira Jacintho, sucessor do renomado pecuarista Chichico, acompanhou de perto a evolução da pecuária, implementando modernizações como o confinamento de bois com melhores resultados de ganho de peso e a divisão dos piquetes para aumentar a lotação da fazenda

Leia mais »

Ousadia com tecnologia

Guilherme Pontieri, da Fazenda AgroPontieri, exemplifica a jornada transformadora de modernização da pecuária por meio de investimento, paciência e abordagens personalizadas, alcançando resultados notáveis e se tornando líder na indústria.

Leia mais »

A vez da conectividade

Natália Martins encontrou sua vocação no departamento financeiro da Fazenda Camparino, onde utiliza o Instagram para estreitar relações com os clientes e criou o quadro “Zezão responde”, onde seu avô, José Humberto Villela Martins, responde perguntas dos seguidores, mostrando a interação entre duas gerações de produtores.

Leia mais »

Geração Sustentabilidade

A nova geração de produtores busca aumentar a produtividade enquanto preserva os recursos naturais, reconhecendo que a sustentabilidade é fundamental para o futuro da pecuária

Leia mais »

Conteúdo disponível também na Revista DBO

Siga a DBO:

A DBO Editores Associados, fundada em 1982, sempre se caracterizou como empresa jornalística totalmente focada na agropecuária. Seu primeiro e principal título é a Revista DBO, publicação líder no segmento da pecuária de corte. Sua atuação no digital abrange as mídias sociais, canal do Youtube e o Portal DBO, plataforma rica em conteúdo especializado em texto, áudio e vídeo para a pecuária, como reportagens, entrevistas, artigos técnicos, cotações, análises de mercado e cobertura dos leilões em todo o País.

Todos direitos reservados @ 2019 | Rua Dona Germaine Burchard, 229 | Bairro de Perdizes, São Paulo-SP

Encontre as principais notícias e conteúdos técnicos dos segmentos de corte, leite, agricultura, além da mais completa cobertura dos leilões de todo o Brasil.

Encontre o que você procura: