Boi gordo: equilíbrio temporário entre oferta e demanda mantém arroba estável

As negociações envolvendo boiadas gordas são suficientes para manter as operações de abate, afirmam os analistas da Agrifatto

Continue depois da publicidade

As negociações comerciais entre frigoríficos e pecuaristas ocorreram de maneira lenta neste meio da semana, informa a Agrifatto.

“É relevante destacar que, de uns dias para cá, as ofertas de animais prontos para abate têm sido bastante limitadas”, afirma a consultoria.

“Brasil afora, os compradores encontram resistência dos vendedores em negociar”, afirma o zootenista Felipe Fabbri, analista da Scot Consultoria.


Nesta quarta-feira (17/4), segundo levantamento das consultorias, os preços do boi gordo ficaram estáveis na maioria das praças brasileiras.

No mercado paulista, a arroba andou de lado, depois da alta de terça-feira (16/4), com o animal macho “comum” cotado em R$ R$ 230, no prazo (valor bruto), apurou a Scot. Na mesma praça, o preço da vaca gorda permaneceu em R$ 205/@, enquanto a novilha gorda e o “boi-China” seguem valendo R$ 220 e R$ 235/@, respectivamente.

“A oferta de boiadas está comedida e, para manter as escalas de abate, os compradores paulistas têm mantido os preços firmes, com negócios acima da referência acontecendo pontualmente”, relata a Scot.

Segundo os analistas, a melhoria das condições nutricionais das pastagens naturais, devido ao período chuvoso, tem permitido aos produtores reter os animais no pasto por mais tempo.

Mercado Pecuário | O que esperar das cotações do boi gordo neste final da safra de capim?

No entanto, recomenda a Agrifatto, é necessário agir com cautela e ter um plano de ação, pois a transição entre a safra e a entressafra, geralmente por volta de meados de junho e início de julho, tende a restringir a capacidade de retenção e aumentar a oferta de boiadas gordas, o que pode resultar em queda nos valores da arroba.

Segundo ressalta Felipe Fabbri, da Scot, as chuvas no Brasil Central ocorridas entre fevereiro/março colaboram com o pecuarista na oferta de boiadas, apesar do avanço do outono.

“Em função disso, o mercado deve seguir sustentado nos próximos dias”, afirma ele. No entanto, diz Fabbri, há, adiante, alguns pontos de atenção ao pecuarista, além da tradicional “desova” da safra de “boiadas de capim”

Ele cita, primeiramente, as tensões entre Israel x Irã. “A região tem sido um bom comprador em termos de preços para a carne bovina brasileira e a escalada do conflito pode pesar no escoamento e negociações”.

E-BOOK | DE OLHO NA SANIDADE DO REBANHO BRASILEIRO

O segundo ponto de alerta, diz Fabbri, está relacionado com o atual avanço do dólar. “A atenção para os custos, principalmente para o confinamento e à suplementação do rebanho, que poderão subir com a disparada do câmbio, desestimulando a operação e, consequentemente, acelerando uma “desova” de final de safra”.

No entanto, continua o analista da Scot, a subida do dólar para acima dos R$ 5 pode favorecer a competitividade da carne bovina brasileira no mercado internacional, o que, somado ao momento ruim vivenciado pelos países concorrentes (principalmente os norte-americanos), pode manter os volumes embarcados aquecidos.

Preços dos animais terminados apurados pela Agrifatto na terça-feira (16/4):

São Paulo — O “boi comum” vale R$225,00 a arroba. O “boi China”, R$235,00. Média de R$230,00. Vaca a R$205,00. Novilha a R$215,00. Escalas de abates de nove dias;

Minas Gerais — O “boi comum” vale R$215,00 a arroba. O “boi China”, R$225,00. Média de R$220,00. Vaca a R$190,00. Novilha a R$200,00. Escalas de abate de nove dias;

Mato Grosso do Sul — O “boi comum” vale R$220,00 a arroba. O “boi China”, R$230,00. Média de R$225,00. Vaca a R$200,00. Novilha a R$205,00. Escalas de abate de sete dias;

Mato Grosso — O “boi comum” vale R$210,00 a arroba. O “boi China”, R$220,00. Média de R$215,00. Vaca a R$190,00. Novilha a R$200,00. Escalas de abate de sete dias;

Tocantins — O “boi comum” vale R$210,00 a arroba. O “boi China”, R$220,00. Média de R$215,00. Vaca a R$180,00. Novilha a R$190,00. Escalas de abate de dez dias;

Pará — O “boi comum” vale R$210,00 a arroba. O “boi China”, R$220,00. Média de R$215,00. Vaca a R$180,00. Novilha a R$190,00. Escalas de abate de onze dias;

Goiás — O “boi comum” vale R$215,00 a arroba. O “boi China/Europa”, R$225,00. Média de R$220,00. Vaca a R$190,00. Novilha a R$200,00. Escalas de abate de oito dias;

Rondônia — O boi vale R$190,00 a arroba. Vaca a R$175,00. Novilha a R$180,00. Escalas de abate de doze dias;

Maranhão — O boi vale R$210,00 por arroba. Vaca a R$185,00. Novilha a R$185,00. Escalas de abate de doze dias;

Paraná — O boi vale R$225,00 por arroba. Vaca a R$200,00. Novilha a R$205,00. Escalas de abate de sete dias.

CONHEÇA E-DBO | A nova linha de e-books da DBO

Gostou? Compartilhe:
Destaques de hoje no Portal DBO

Continue depois da publicidade

Continue depois da publicidade

clima tempo

São Paulo - SP

max

Máx.

--

min

Min.

--

017-rain

--

Chuva

008-windy

--

Vento

Continue depois da publicidade

Colunas e Artigos

Continue depois da publicidade

Continue depois da publicidade

Leilões em destaque

Continue depois da publicidade

Newsletter

Newsletter

Jornal de Leilões

Os destaques do dia da pecuária de corte, pecuária leiteira e agricultura diretamente no seu e-mail.

Continue depois da publicidade

Vaca - 30 dias

Boi Gordo - 30 dias

Fonte: Scot Consultoria

Vaca - 30 dias

Boi Gordo - 30 dias

Fonte: Scot Consultoria

Continue depois da publicidade

Encontre as principais notícias e conteúdos técnicos dos segmentos de corte, leite, agricultura, além da mais completa cobertura dos leilões de todo o Brasil.

Encontre o que você procura:

Pular para o conteúdo