Desde o pico de R$ 345/@, boi gordo já caiu quase 40% no mercado paulista

“Parece que o otimismo com a arroba do boi em 2024 não quer aparecer”, relatou Raphael Galo, da Terra Investimentos

Continue depois da publicidade

O calvário do boi gordo está sendo “estressante e duradouro”, analisa a equipe de consultores da Agrifatto.

Desde a máxima real atingida em novembro/20, quando chegou aos R$ 345/@, o boi gordo já recuou 37,29% em um intervalo de tempo de mais de 43 meses, relata a consultoria, referindo-se ao comportamento das cotações no mercado físico de São Paulo.


Na avaliação da Agrifatto, a queda registrada em setembro/23 – quando atingiu o valor nominal de R$ 212,52/@ – era um indicativo de referência para aquele que poderia ser o menor preço do boi gordo neste ciclo de baixa.

“No entanto, o péssimo desempenho durante os primeiros cinco meses de 2024 está renovando a expectativa de um valor mínimo a ser atingindo durante a atual fase do ciclo pecuário”, observam os analistas da Agrifatto.

Segundo a consultoria, junho/24 iniciou com um valor parcial de R$ 216,45/@ para o boi gordo e, “diante de escalas alongadas e o Cepea ainda apontando para uma tendência de queda, tem a possibilidade de se encerrar com o menor preço deste ciclo de baixa. Se isso ocorrer, teremos o menor valor do boi gordo real desde junho/2013 (132 meses)”, destaca.

Mercado Pecuário | Boi gordo: o que o pecuarista pode fazer para ter melhores margens no segundo semestre?

O analista Raphael Galo, da Terra Investimentos, com sede em São Paulo, recorda que, em maio/24, registrou-se o quinto mês consecutivo de queda nos preços da arroba.

“Parece que o otimismo com a arroba do boi em 2024 não quer aparecer”, relatou Galo, em coluna publicado pelo semanário “Boi & Companhia” divulgado pela Scot na última quinta-feira (6/6).

“Iniciamos o ano com preços (CEPEA) em R$ 252,30/@ e encerramos maio com R$ 221,15/@, ou seja, queda de 12,35% ou de R$31,15/@”, contabiliza Galo, acrescentando: “Para quem não estava “hedgeado” (travado), até o momento, tem sido um mal negócio”.

Em São Paulo, as cotações de todas as categorias destinadas ao abate registraram queda na primeira semana de junho/24, relata o zootecnista Felipe Fabbri, analista da Scot.

Os preços do boi destinado ao mercado interno e da vaca gorda caíram R$ 5/@ no período semanal, e o “boi-China” registrou queda de R$ 7/@. Para a novilha, o recuo foi de R$ 2/@, recorda Fabbri.

“A exportação está sendo uma boa válvula de escape neste momento de maior oferta de boiadas”, observa o analista da Scot. Porém, no mercado interno da carne bovina, o ritmo de negócios pouco tem fluído, completa Fabbri.

SAIBA MAIS | Preços dos animais de reposição registraram recuperação em Mato Grosso

“Em curto prazo, a oferta de boiadas seguirá direcionando os preços no mercado do boi”, afirma o analista, ressaltando que, atualmente, a disponibilidade de animais terminados segue confortável ao comprador, o que deve manter o mercado ainda pressionado para baixo.

No entanto, diz Fabbri, o mercado futuro destoa do mercado físico e tem indicado preços melhores no segundo semestre.

“A perspectiva, com a diminuição da oferta ao longo da entressafra, a manutenção da demanda externa e a possibilidade de melhora da demanda interna, é de que isso realmente ocorra ao longo do segundo semestre”, reforça o analista, referindo-se à possibilidade de recuperação nas cotações da arroba.

Preços dos animais terminados apurados pela Agrifatto na sexta-feira (7/6):

São Paulo — O “boi comum” vale R$215,00 a arroba. O “boi China”, R$225,00. Média de R$220,00. Vaca a R$195,00. Novilha a R$205,00. Escalas de abates de quinze dias;

Minas Gerais — O “boi comum” vale R$195,00 a arroba. O “boi China”, R$200,00. Média de R$197,50. Vaca a R$180,00. Novilha a R$190,00. Escalas de abate de dezessete dias;

Mato Grosso do Sul — O “boi comum” vale R$210,00 a arroba. O “boi China”, R$215,00. Média de R$212,50. Vaca a R$190,00. Novilha a R$200,00. Escalas de abate de dez dias;

Mato Grosso — O “boi comum” vale R$200,00 a arroba. O “boi China”, R$200,00. Média de R$200,00. Vaca a R$185,00. Novilha a R$190,00. Escalas de abate de dez dias;

Tocantins — O “boi comum” vale R$195,00 a arroba. O “boi China”, R$200,00. Média de R$197,50. Vaca a R$175,00. Novilha a R$180,00. Escalas de abate de quinze dias;

Pará — O “boi comum” vale R$195,00 a arroba. O “boi China”, R$200,00. Média de R$197,50. Vaca a R$175,00. Novilha a R$180,00. Escalas de abate de dezoito dias;

Goiás — O “boi comum” vale R$195,00 a arroba. O “boi China/Europa”, R$200,00. Média de R$197,50. Vaca a R$180,00. Novilha a R$190,00. Escalas de abate de quinze dias;

Rondônia — O boi vale R$185,00 a arroba. Vaca a R$170,00. Novilha a R$175,00. Escalas de abate de catorze dias;

Maranhão — O boi vale R$195,00 por arroba. Vaca a R$175,00. Novilha a R$175,00. Escalas de abate de doze dias;

Paraná — O boi vale R$210,00 por arroba. Vaca a R$190,00. Novilha a R$200,00. Escalas de abate de onze dias.

Gostou? Compartilhe:
Destaques de hoje no Portal DBO

Continue depois da publicidade

Continue depois da publicidade

Continue depois da publicidade

clima tempo

São Paulo - SP

max

Máx.

--

min

Min.

--

017-rain

--

Chuva

008-windy

--

Vento

Continue depois da publicidade

Continue depois da publicidade

Colunas e Artigos

Continue depois da publicidade

Continue depois da publicidade

Newsletter

Newsletter

Jornal de Leilões

Os destaques do dia da pecuária de corte, pecuária leiteira e agricultura diretamente no seu e-mail.

Continue depois da publicidade

Vaca - 30 dias

Boi Gordo - 30 dias

Fonte: Scot Consultoria

Vaca - 30 dias

Boi Gordo - 30 dias

Fonte: Scot Consultoria

Continue depois da publicidade

Encontre as principais notícias e conteúdos técnicos dos segmentos de corte, leite, agricultura, além da mais completa cobertura dos leilões de todo o Brasil.

Encontre o que você procura:

Pular para o conteúdo