Abates, ciclo pecuário e considerações sobre 2023

CONFIRA a análise do médico veterinário Hyberville Neto, consultor e diretor da HN AGRO, sobre o mercado do boi gordo

Continue depois da publicidade

Por Hyberville Neto – consultor e diretor da HN AGRO

Após quedas em 2020 e 2021, os abates de bovinos voltaram a aumentar em 2022, considerando o período de janeiro a setembro.

Em relação a 2021 o aumento foi de 7,1%, com destaque para o acréscimo de fêmeas. Considerando o intervalo até setembro de 2022, o incremento foi de 15,4% nos abates de vacas e novilhas. Para os machos, o aumento foi de 2,6%, em relação a 2021.


A figura 1 mostra a evolução mensal dos abates em 2021 e 2022, até setembro (últimos dados consolidados). Perceba a queda observada em setembro de 2021, causada pela suspensão de vendas à China, o que diminuiu o apetite da indústria, pela ausência do comprador, mas também pela incerteza quanto ao tempo para retomada das negociações.

Essa redução dos abates foi a dor de cabeça de muito confinador que não tinha negociado antecipadamente e teve dificuldades de escalar o gado. Na nossa visão, isso subsidiou o maior volume de negócios a termo em 2022, o que ajudou a pressionar o mercado na entressafra.

Figura 1. Abates mensais de bovinos, em milhões de cabeças. (Fonte: IBGE / Elaboração: HN AGRO)

O aumento das fêmeas abatidas está relacionado ao recuo do preço do bezerro, que na média deste ano está 16,5% mais barato que em 2021, considerando valores corrigidos pelo IGP-DI. O boi gordo cedeu 5,2%, também com preços deflacionados, ambos em São Paulo e com referências do Cepea.

Ciclo pecuário

Em 2019, 2020 e 2021, o bezerro teve valorizações reais de 7,3%, 35,1% e 8,5%, nas médias anuais, em relação ao ano anterior. Isso gerou investimentos na atividade, com retenção de fêmeas, diminuindo a oferta de carne.

É o ciclo pecuário, que às vezes ajuda, às vezes atrapalha o resultado.

Com isso, as cotações subiram fortemente, também para o boi gordo, influenciadas pela fase do ciclo e com um reforço importante das exportações à China.

No período apareceram músicas sobre a pecuária, os “menino da pecuária”, relação de troca com carro de luxo, e por aí vai. Período de otimismo e investimento.

O cenário atual é de chegada dos bezerros oriundos desse ânimo em investir, o que pressiona o mercado. O ciclo não surgiu nesta queda e essa fase em algum tempo dará espaço a altas, quando o desinvestimento atual resultar em oferta menor de gado. Veja a figura 2.

Figura 2. Evolução da participação de fêmeas nos abates e variação do boi gordo em 12 meses. (Fonte: IBGE / CEPEA / HN AGRO)

Usando a participação de fêmeas nos abates acumulada 12 meses como referência, essa tem aumentado desde o começo de 2022, assim como as cotações do boi gordo têm trabalhado em queda desde a mesma época, considerando valores deflacionados (reais) e comparações do mês com mesmo período do ano anterior.

Em 2022, apenas em janeiro e outubro as cotações estiveram acima dos mesmos meses de 2021. Isso ocorreu em janeiro porque o mercado estava firme e em alta com a retomada das vendas à China e em outubro porque esse mês foi comparado com outubro de 2021, em plena suspensão das vendas ao nosso maior comprador.

Expectativas

Pelo nível de retenção de fêmeas observado nos últimos anos (como pode ser observado pela linha na figura 2) e pelo histórico de abates, que normalmente sobem mais de um ano consecutivo, antes de uma nova diminuição, o cenário esperado é de aumento da oferta de gado para 2023.

Essa disponibilidade tende a aumentar, puxada pelas fêmeas, como é comum nas fases de baixa do ciclo pecuário. Vacas e novilhas, por sua vez, normalmente vão para o gancho em março (descarte pós estação reprodutiva) e maio (chegada da seca). Esses são momentos de atenção no primeiro semestre.

Outro ponto que vale comentar é que quando falamos em ciclo pecuário, estamos analisando preços reais, ou seja, já descontando o efeito da inflação. Em valores reais, a cotação média de 2020 está em R$317,73/@ e atualmente a referência gira em torno de R$290,00/@.

E qual é o objetivo desta comparação? É justamente ponderar que, quando falamos em queda real para 2023, isso não quer dizer recuo frente aos preços atuais, mas uma cotação média deflacionada provavelmente menor que a de 2022, que hoje está em torno de R$320,00/@.

Do lado das exportações, o Brasil bateu recordes anuais em 2022 com apenas 11 meses e há um cenário positivo para 2023, com China comprando bem.

Já alguns concorrentes, como os Estados Unidos, terão redução da oferta de gado. Isso beneficia o Brasil, não só pela redução da competição, mas também pelo possível aumento do abastecimento no Brasil. As compras norte-americanas já aumentaram expressivamente agora em novembro.

A Austrália está entrando na fase de aumento da disponibilidade de gado, o que já tem sido sentido nas cotações, mas o nível de abates projetado para 2023 pelo USDA ainda é tímido. As 7,2 milhões de cabeças para o abate estimado no próximo ano são maiores que em 2021 e 2022, mas ainda será o terceiro menor nível de abates dos últimos 38 anos (desde 1985, quando foram abatidas 7,15 milhões de cabeças).

Isso sem contar em possíveis boas notícias vindas de habilitações de mais plantas para venda à Indonésia, ou com os Estados Unidos aumentando cotas para a nossa carne. Outra possível boa notícia seria relacionada ao Japão e/ou Coreia do Sul, que podem vir a abrir o mercado, pela nossa evolução sanitária em relação à vacinação contra febre aftosa.

O consumo doméstico brasileiro é a grande questão. Vínhamos há um bom tempo com indicadores econômicos melhorando, o que gera expectativa de recuperação do consumo. Se somava a isso uma oferta crescente de gado, possivelmente gerando cotações mais palatáveis ao consumidor.

No entanto, a evolução dos “jeitinhos fiscais”, que já têm dado as caras, será determinante para a inflação e, consequentemente, as taxas de juros, ambas afetando diretamente a demanda. Para citar algo positivo nessa questão, um cenário negativo do ponto de vista fiscal é ruim para a economia, mas para a pecuária tem um efeito positivo para os embarques, caso o dólar suba.

Em resumo, do lado da oferta, esperamos aumento da disponibilidade de reposição e gado para abate, principalmente de fêmeas. No cenário internacional, devemos ter bons volumes embarcados, com uma possível ajuda do câmbio. O consumo doméstico pode se beneficiar de preços mais atrativos, mas sempre acompanhando a conjuntura fiscal e seus reflexos.

Você gostou desta coluna? Tem alguma sugestão ou informação nova?  Por favor, me escreva no e-mail hyberville@hnagro.com.br.

Não é permitida a cópia integral do conteúdo acima. A reprodução parcial é autorizada apenas na forma de citação e com link para o conteúdo na íntegra. Plágio é crime de acordo com a Lei 9610/98.

DBO, há mais de 40 anos acompanhando e contribuindo para uma pecuária cada vez mais moderna e eficiente.

Gostou? Compartilhe:
Mais conteúdo

Continue depois da publicidade

Continue depois da publicidade

Vaca - 30 dias

Boi Gordo - 30 dias

Fonte: Scot Consultoria

Colunas e Artigos

Continue depois da publicidade

Continue depois da publicidade

Raças

Continue depois da publicidade

Continue depois da publicidade

Newsletter

Newsletter

Jornal de Leilões

Os destaques do dia da pecuária de corte, pecuária leiteira e agricultura diretamente no seu e-mail.

Continue depois da publicidade

Revista DBO

Destaques

Os benefícios de cada estabelecimento é liberado apenas para membros com assinatura válida.

Cooperativas ‘abrem alas’ para o boi

Gigantes da agricultura e da produção leiteira começam a ver o gado de corte como importante parceiro de suas atividades-mãe e lançam programas específicos para pecuaristas.

Para continuar lendo é preciso ser assinante.


Faça já sua assinatura digital da DBO


Leia todo o conteúdo da DBO a partir de R$16,90 por mês.

Invista na melhor informação. Uma única dica que você aproveite pagará com folga o valor da assinatura.

Você precisa adquirir uma de nossas assinaturas.

Os benefícios de cada estabelecimento é liberado apenas para membros com assinatura válida.
Os benefícios de cada estabelecimento é liberado apenas para membros com assinatura válida.
Os benefícios de cada estabelecimento é liberado apenas para membros com assinatura válida.

Vídeo

Os destaques no vídeo da Edição:

Os benefícios de cada estabelecimento é liberado apenas para membros com assinatura válida.
Os benefícios de cada estabelecimento é liberado apenas para membros com assinatura válida.
Os benefícios de cada estabelecimento é liberado apenas para membros com assinatura válida.
Os benefícios de cada estabelecimento é liberado apenas para membros com assinatura válida.
Os benefícios de cada estabelecimento é liberado apenas para membros com assinatura válida.
Os benefícios de cada estabelecimento é liberado apenas para membros com assinatura válida.

Continue depois da publicidade

Continue depois da publicidade

Newsletter

Newsletter

Destaques do Dia

Os destaques do dia da pecuária de corte, pecuária leiteira e agricultura diretamente no seu e-mail.

Continue depois da publicidade

Continue depois da publicidade

Continue depois da publicidade

Continue depois da publicidade

Programas

Continue depois da publicidade

Continue depois da publicidade

Continue depois da publicidade

Encontre as principais notícias e conteúdos técnicos dos segmentos de corte, leite, agricultura, além da mais completa cobertura dos leilões de todo o Brasil.

Encontre o que você procura: