Receita para baixa no boi: altos estoques, escalas de abate confortáveis e fim das chuvas

“Visualizamos mais espaço para quedas do boi gordo, principalmente diante do mercado atacadista fraco e pressionado pelo excesso de oferta”, acreditam analistas da Agrifatto

Continue depois da publicidade

O movimento de desvalorização das cotações do boi gordo continua no mercado físico e futuro, relatam as consultorias do setor que acompanham diariamente a movimentação dos negócios nas principais praças brasileiras.

“Com o fim das chuvas (na maior parte das regiões pecuárias), o pecuarista vai encontrando cada vez mais dificuldade em reter o gado no pasto, aumentando a necessidade de negociação com os frigoríficos”, relata a Agrifatto.


Além disso, no decorrer da última semana, o escoamento da carne bovina no atacado não foi como o esperado. “Com os estoques bem abastecidos, as indústrias mantiveram a pressão sobre os preços do boi gordo”, afirma a consultoria.

Diante de tal cenário, a média nacional das escalas de abate finalizou a semana em 12 dias úteis, com avanço de um dia útil perante ao quadro observado na semana anterior – foi o maior nível desde agosto/22, aponta a Agrifatto.

“Para semana em curso, visualizamos mais espaço para quedas no mercado físico do boi gordo, principalmente diante de um mercado atacadista fraco e pressionado pelo excesso de oferta”, ressaltam os analistas da consultoria.

Mato Grosso foi o Estado que registrou a maior queda na semana passada: o boi gordo local fechou o período valendo R$ 211,80/@, com desvalorização semanal de 2,22%.

VEJA TAMBÉM | Escalas de abate avançam e atingem o maior nível na média Brasil desde ago/22

Na última semana, o indicador Agrifatto do boi gordo (que faz uma avaliação dos preços da arroba considerando 17 praças brasileiras) apontou recuo de 1,31% e ficou cotado a R$ 225,07/@. Por sua vez, o indicador Cepea registrou queda de 2,43%, com um preço médio semanal de R$ 226,73/@.

“Esse recuo é consequência do aumento de oferta de bovinos ofertados aos frigoríficos pelos pecuaristas, diante da chegada da seca e da necessidade de esvaziar as pastagens”, reforçam os analistas.

No mercado futuro (B3), a pressão negativa ainda acomete os vencimentos para este ano, mas, diz a Agrifatto, tal movimento perdeu um pouco a intensidade durante a última semana.

O contrato com vencimento em junho/24 foi o que mais perdeu força, fechando sexta-feira a R$ 226,80/@, um recuo semanal de 0,37%.

No entanto, os contratos mais longos demonstraram um pouco mais de firmeza e o vencimento para outubro/24, que na semana anterior atingiu o menor patamar desde que começou a ser negociado na B3, registrou leve alta no fechamento semanal.

“Os operadores do mercado futuro voltaram a acreditar que há espaço para alta do boi gordo em alguns contratos”, relatam os analistas da Agrifatto.

Com isso, na visão da consultoria, o mercado físico fraco e pressionado ainda influenciará negativamente nas cotações dos contratos futuro com vencimento mais curto.

Mercado Pecuário | Maior oferta de animais pressiona o preço da arroba do boi gordo para baixo

No entanto, os vencimento de maior prazo têm espaço para se valorizarem, principalmente para as referências do último quadrimestre do ano (setembro/24 a dezembro/24).

Preços dos animais terminados apurados pela Agrifatto na última sexta-feira (17/5):

São Paulo — O “boi comum” vale R$220,00 a arroba. O “boi China”, R$230,00. Média de R$225,00. Vaca a R$205,00. Novilha a R$215,00. Escalas de abates de treze dias;

Minas Gerais — O “boi comum” vale R$200,00 a arroba. O “boi China”, R$210,00. Média de R$205,00. Vaca a R$185,00. Novilha a R$195,00. Escalas de abate de treze dias;

Mato Grosso do Sul — O “boi comum” vale R$215,00 a arroba. O “boi China”, R$225,00. Média de R$220,00. Vaca a R$195,00. Novilha a R$205,00. Escalas de abate de dez dias;

Mato Grosso — O “boi comum” vale R$200,00 a arroba. O “boi China”, R$210,00. Média de R$205,00. Vaca a R$185,00. Novilha a R$195,00. Escalas de abate de doze dias;

Tocantins — O “boi comum” vale R$200,00 a arroba. O “boi China”, R$210,00. Média de R$205,00. Vaca a R$180,00. Novilha a R$185,00. Escalas de abate de catorze dias;

Pará — O “boi comum” vale R$200,00 a arroba. O “boi China”, R$210,00. Média de R$205,00. Vaca a R$180,00. Novilha a R$185,00. Escalas de abate de catorze dias;

Goiás — O “boi comum” vale R$200,00 a arroba. O “boi China/Europa”, R$210,00. Média de R$205,00. Vaca a R$185,00. Novilha a R$195,00. Escalas de abate de treze dias;

Rondônia — O boi vale R$190,00 a arroba. Vaca a R$175,00. Novilha a R$180,00. Escalas de abate de treze dias;

Maranhão — O boi vale R$200,00 por arroba. Vaca a R$180,00. Novilha a R$180,00. Escalas de abate de onze dias;

Paraná — O boi vale R$220,00 por arroba. Vaca a R$195,00. Novilha a R$205,00. Escalas de abate de dez dias.

 

Gostou? Compartilhe:
Destaques de hoje no Portal DBO

Continue depois da publicidade

Continue depois da publicidade

Continue depois da publicidade

clima tempo

São Paulo - SP

max

Máx.

--

min

Min.

--

017-rain

--

Chuva

008-windy

--

Vento

Continue depois da publicidade

Continue depois da publicidade

Colunas e Artigos

Continue depois da publicidade

Continue depois da publicidade

Newsletter

Newsletter

Jornal de Leilões

Os destaques do dia da pecuária de corte, pecuária leiteira e agricultura diretamente no seu e-mail.

Continue depois da publicidade

Vaca - 30 dias

Boi Gordo - 30 dias

Fonte: Scot Consultoria

Vaca - 30 dias

Boi Gordo - 30 dias

Fonte: Scot Consultoria

Continue depois da publicidade

Encontre as principais notícias e conteúdos técnicos dos segmentos de corte, leite, agricultura, além da mais completa cobertura dos leilões de todo o Brasil.

Encontre o que você procura:

Pular para o conteúdo