Venda de suplementos minerais cai no primeiro trimestre de 2023, informa Asbram

Apesar do recuo, o panorama é positivo graças à queda nos custos de produção e melhores margens para o negócio pecuário, aponta a associação

Continue depois da publicidade

Profissionais e executivos de várias indústrias participaram na quinta-feira, 13 de abril, na capital paulista, da reunião mensal da Associação Brasileira das Indústrias de Suplementos Minerais (Asbram). E acompanharam os debates envolvendo grãos e carnes na economia brasileira e mundial.

“Os principais fatores a considerar no mercado internacional neste ano são as flutuações cambiais, uma queda de preço nas proteínas, a crescente diminuição dos custos de nutrição animal, a atuação da indústria bovina voltando ao normal após o período de embargo, que causou um prejuízo de US$ 500 milhões, uma maior disponibilidade do derivado de abate de bovinos e atenção total ao clima, no Brasil e nos Estados Unidos, e às margens do negócio”, aconselhou Fernando Henrique Lopes, Analista de Mercado Sênior e Consultor da Safras & Mercado, que apresentou a palestra ‘Tendências e Perspectivas para o mercado de grãos (soja e milho) e a Pecuária.


O especialista destacou, ainda, que o mundo deve seguir com políticas de juros altos e combate à inflação, tendo grãos e carnes ainda com os preços pressionados. Porém, a China vai voltar ao mercado como comprador, mas de forma comedida.

“Sempre vamos ter que falar de China. Mas é vital que os pecuaristas e as indústrias de nutrição fiquem atentos ao clima e às margens, que agora podem melhorar com gestão firme, porque os valores pagos estão deprimidos, mas também permaneceremos com quedas nos preços dos insumos”, emendou.

De acordo com a Asbram, os números obtidos pelo setor no primeiro semestre deste ano não desapontaram tanto. Em março, foram comercializadas 189,3 mil toneladas de suplementos minerais, queda de 10,5% sobre março de 2022. Uma realidade já aguardada por causa do embargo chinês às importações de carne bovina brasileira por causa do episódio da doença da “vaca louca” atípica no Pará.

SAIBA MAIS | Revista DBO | Sal mineral se ajusta melhor à arroba

“Olhando os números do trimestre inteiro, também houve diminuição nas vendas. Foram 503,2 mil toneladas, 8% de contração sobre o mesmo período do ano passado. Com 56 milhões de animais no total. Nesta seara, o mercado agora deve se equilibrar novamente”, analisou Felippe Cauê Serigatti, professor e pesquisador do Centro de Agronegócios da Fundação Getúlio Vargas (GV Agro).

Esse otimismo também foi enfatizado pelo presidente da Asbram, Juliano Sabella, ao afirmar de todas as ações da associação para levar mais benefícios ao setor e aos consumidores brasileiros.

“Estamos trabalhando forte nesse sentido. Acompanhando de perto todas as discussões que envolvem a proposta de emenda constitucional da Reforma Tributária, para sabermos como lutar por mais benefícios ao setor. E também com o estudo que encomendamos para termos claros os impactos com o fim da alíquota do PIS – Cofins na cadeia de ração da Pecuária. Podemos ter boas notícias para toda a cadeia e, também importante, para a mesa do consumidor”, justificou Juliano Sabella.

A reunião ainda tratou de assuntos como sustentabilidade e mudanças climáticas. Camila Ferraz, Gerente de Marketing América do Sul da Phibro Saúde Animal, falou da segunda edição do ‘Desafio da Pecuária Responsável’, que no segundo ano já alcança 120 empresas promovendo as informações sobre como produzir com sustentabilidade total.

“É um movimento da cadeia inteira da Pecuária de Corte. E agora, na segunda edição, vai ser aberta para a cadeia do Leite. Precisamos falar deste assunto sem parar”, conclamou Camila.

Já o Sócio-Diretor da Agroicone, Rodrigo Lima, especialista em negociações internacionais comerciais e desenvolvimento sustentável na Agropecuária e em energias renováveis, alertou para os melhores caminhos a serem trilhados pelo país para combater os riscos climáticos.

“Não é verdade que a agricultura é a atividade que mais contribui para o desmatamento na região da Floresta Amazônica. Temos números que comprovam isso. O Brasil efetivamente preserva 66% do ambiente original e pode beneficiar-se do mercado de carbono florestal. Mas será que conseguiremos ser um grande exportador de créditos de carbono se não regularmos o mercado de carbono internamente?

Ele deve começar a operar, dentro das regras do Acordo de Paris, em três ou quatro anos. Defendo que devemos desenvolver projetos, investir dinheiro e energia, criar metodologias e saber que gerar esse tipo de crédito não é um caminho trivial. E ainda necessita muita credibilidade. Serão projetos que envolvem créditos oriundos de conservação e restauração, práticas agropecuárias, dejetos e suporte para a neutralidade climática.

Penso que devemos formalizar o programa ABC+ como estratégia do Brasil e nosso enfoque de ações climáticas e segurança alimentar nos organismos internacionais. E aceitar duas verdades de uma vez por todas: o carbono é um tema inerente aos negócios e ao comércio internacional. E precisamos resolver de vez o problema de desmatamento ilegal”, afirmou taxativamente.

O encontro chegou ao fim enaltecendo que o Brasil e o mundo devem crescer neste ano, mas abaixo do que era previsto no fim do ano passado. Até porque as principais economias do planeta vão fincar pé na trincheira da guerra contra a inflação.

VEJA TAMBÉM | Farinha de proteína animal: China abre novo mercado para produto brasileiro

“O céu ficou menos cinzento a partir de março. E a melhor notícia de todas é que a China pode voltar com mais força ao mercado internacional. Nada de retumbante, mas o suficiente para animar boa parte das nações. O gigante perde força de crescimento, mas cresce”, previu Felippe Serigatti.

“Nós, em nosso setor, no Brasil, temos de olhar com otimismo para o resto do ano. Temos boas perspectivas. As safras de grãos, não vai faltar produtos, o pecuarista está razoavelmente capitalizado, os custos estão baixando. O ano pode, sim, ser bom”, cravou Elizabeth Chagas, Vice-Presidente Executiva da Asbram.

Fonte: Ascom Asbram

Gostou? Compartilhe:
Destaques de hoje no Portal DBO

Continue depois da publicidade

Continue depois da publicidade

clima tempo

São Paulo - SP

max

Máx.

--

min

Min.

--

017-rain

--

Chuva

008-windy

--

Vento

Continue depois da publicidade

Colunas e Artigos

Continue depois da publicidade

Continue depois da publicidade

Leilões em destaque

Continue depois da publicidade

Newsletter

Newsletter

Jornal de Leilões

Os destaques do dia da pecuária de corte, pecuária leiteira e agricultura diretamente no seu e-mail.

Continue depois da publicidade

Vaca - 30 dias

Boi Gordo - 30 dias

Fonte: Scot Consultoria

Vaca - 30 dias

Boi Gordo - 30 dias

Fonte: Scot Consultoria

Continue depois da publicidade

Encontre as principais notícias e conteúdos técnicos dos segmentos de corte, leite, agricultura, além da mais completa cobertura dos leilões de todo o Brasil.

Encontre o que você procura:

Pular para o conteúdo