SP, referência no mercado do boi gordo, segue com preços estáveis há quase 40 dias

A Scot Consultoria ressalta que, nas regiões paulistas, as cotações do boi “comum” e do “boi-China” (abatido mais jovem, com até 30 meses) continuam andando de lado

Continue depois da publicidade

O mercado físico do boi gordo continua a apresentar pequenas divergências de comportamento entre algumas praças pecuárias, segundo relatos da Agrifatto.

Certas regiões brasileiras, informa a consultoria, estão sofrendo com a ausência de chuvas e a forte onda de calor, o que força a retirada antecipada do gado, visando evitar perdas de rendimento dos animais e aliviar pastagens degradadas.


Porém, a maioria das localidades do País seguem com a oferta controlada (e bastante enxuta) de bovinos terminados, resultando em estabilidade nos preços da arroba, acrescenta a Agriffato, que faz o monitoramento diário em 17 praças brasileiras.

A região Norte do País continua sendo a mais afetada pelas condições climáticas adversas. No Pará, diz a Agrifatto, na quinta-feira (16/11), foi registrada uma queda de 1,4% no preço do boi gordo, precificado em R$ 204,90/@, um reflexo direto do aumento da oferta de lotes terminados.

VEJA TAMBÉM | Fim de semana terá temporais, ventos fortes e queda de granizo no Sudeste e Centro-Oeste

Praça de referência – Porém, nesta sexta-feira (17/11), nas praças de São Paulo, o preço médio do macho terminado permaneceu estável, em R$ 235/@, acrescenta a Agrifatto.

A Scot Consultoria ressalta que, nas regiões paulistas, as cotações do boi “comum” (destinado ao mercado doméstico) e do “boi-China” (abatido mais jovem, com até 30 meses) estão andando de lado há quase 40 dias.

Pelos dados da Scot, o boi “comum” paulista é negociado por R$ 235/@, enquanto a vaca e a novilha gordas são vendidas por R$ 215/@ e R$ 225/@ (preços brutos e a prazo), respectivamente.

A arroba do “boi-China” está cotada em R$ 240 (no bruto, prazo, base SP), com ágio de R$ 5/@ sobre o macho gordo “comum”, informa a Scot.

Na avaliação da S&P Global Commodity Insights, a semana com feriado na quarta-feira (Proclamação da República) retirou a liquidez do mercado e postergou as compras das indústrias para a segunda metade do mês.

Portanto, nacionalmente, relata a S&P Global, a sexta-feira teve um fraco volume de negociações no mercado físico da arroba bovina, seguindo a toada observada ao longo da semana em curso.

“Apesar do feriado em algumas regiões do País na próxima segunda-feira (Dia da Consciência Negra), espera-se (para o decorrer da semana) uma retomada ao ambiente de negócios por parte das indústrias, visando dar sequência na composição das escalas de abate, ancoradas entre 5 a 7 dias”, afirmam os analistas.

Segundo a S&P Global, as operações seguem fomentadas na demanda doméstica sazonal pela carne bovina, com expectativas de incremento pelo recebimento da primeira parcela do 13º salário, bem como comemorações e festividades do período.

Mercado Pecuário | Quais os possíveis impactos do clima no mercado do boi nesta reta final do ano?

Por outro lado, acrescenta a S&P Global, os frigoríficos têm atuado de forma limitada e cadenciada em suas inserções no mercado, visando limitar um viés de alta incisivo nos preços da arroba.

No entendimento da S&P Global, além da demanda mais aquecida, a oferta enxuta de animais para abate deve permanecer como variável de formação de preço nesta segunda metade de novembro.

China compra mais – Em âmbito internacional, diz a Agrifatto, nesta última semana a China demonstrou uma movimentação mais ativa em comparação com as compras da semana passada, apesar dos preços pagos pela carne bovina brasileira não terem registrado melhora – a tonelada do dianteiro in natura é negociada entre US$ 4.000 e US$ 4.300, relata a Agrifatto.

“O Brasil continua sendo o maior fornecedor de proteína bovina para o gigante asiático, cujas importações totalizaram 2,04 milhões de toneladas nos nove primeiros meses de 2023, sendo 41,15% originárias dos frigoríficos brasileiros”, informa a Agrifatto.

Embarques de outubro/23 – Depois de ter tido uma péssima primeira semana, as exportações de carne bovina in natura se recuperaram durante o restante do mês de outubro/23 e conseguiram fechar com um bom volume embarcado, destaca a Agrifatto.

Foram exportadas 186,20 mil toneladas da proteína bovina, 4,55% a menos que setembro/23, mas ainda assim o segundo melhor resultado da história para um mês de outubro, perdendo apenas para as 188,46 mil toneladas de outubro/22.

Em outubro/23, o preço médio da proteína bovina in natura emplacou a segunda valorização mensal consecutiva, atingindo US$ 4.596/t, o maior valor desde jullho/23, informa a Agrifatto.

Porém, continua a consultoria, o preço atual ainda é 21,44% menor que o registrado no mesmo período de 2022, demonstrando como o comércio global de proteína bovina perdeu valor durante o ano de 2023.

Para novembro/23, prevê a Agrifatto, as expectativas apontam para um volume exportado entre 170 e 180 mil toneladas, o que resultaria na maior quantidade embarcada em um mês de novembro na história.

SAIBA MAIS | Carne bovina: exportações brasileiras em outubro de 2023 têm queda de 20% na receita

“Ainda assim, mesmo considerando a previsão de recuperação das exportações em novembro/23 (e até mesmo em dezembro/23), dificilmente teremos um 2023 com um volume de carne bovina exportada acima do que foi registrado em 2022”, pondera a Agrifatto.

Contratos futuros – No mercado da B3, a semana começou agitada, com uma forte valorização de preços do boi gordo na segunda-feira (13/11).

No entanto, relata a Agriffato, o mercado fechou a semana (considerando o fechamento até quinta-feira, 16/11) com timidez nos posicionamentos e sem firmeza para tomar uma direção clara.

“Ainda que as cotações futuras do boi gordo tenham se valorizado no comparativo semanal em todos os vencimentos – destaque para o papel de janeiro/24, que teve alta de 2% e fechou a quinta-feira a R$ 245/@ –, o volume de novas negociações continuou tímido”, observa a Agrifatto.

O número de contratos em aberto (futuros + opções), informa a consultoria, cresceu apenas 0,99% e atingiu 101,17 mil toneladas, puxada pelos contratos futuros, que somaram um total de 15,90 mil (3,77% a mais que na semana anterior), com as negociações se concentrando nos vencimentos de novembro/23 e dezembro/23.

Com 1.740 contratos negociados na quinta-feira, o vencimento de novembro/23 encerrou o pregão regular cotado em R$ 239/@.

Cotações máximas de machos e fêmeas nesta sexta-feira, 17/11 (Fonte: S&P Global)

SP-Noroeste:

boi a R$ 233/@ (prazo)
vaca a R$ 217/@ (prazo)

MS-Dourados:

boi a R$ 222/@ (à vista)
vaca a R$ 209/@ (à vista)

MT-Cáceres:

boi a R$ 212/@ (prazo)
vaca a R$ 192/@ (prazo)

MT-Cuiabá:

boi a R$ 210/@ (à vista)
vaca a R$ 190/@ (à vista)

GO-Sul:

boi a R$ 227/@ (prazo)
vaca a R$ 212/@ (prazo)

PR-Maringá:

boi a R$ 225/@ (à vista)
vaca a R$ 202/@ (à vista)

MG-Triângulo:

boi a R$ 231/@ (prazo)
vaca a R$ 207/@ (prazo)

PA-Redenção:

boi a R$ 209/@ (prazo)
vaca a R$ 189/@ (prazo)

TO-Araguaína:

boi a R$ 214/@ (prazo)
vaca a R$ 192/@ (prazo)

RO-Cacoal:

boi a R$ 212/@ (à vista)
vaca a R$ 195/@ (à vista)

 

Preços dos animais terminados apurados pela Agrifatto em 17/11

São Paulo — O “boi comum” vale R$230,00 a arroba. O “boi China”, R$240,00. Média de R$235,00. Vaca a R$215,00. Novilha a R$225,00. Escalas de abates de oito dias;

Minas Gerais — O “boi comum” vale R$215,00 a arroba. O “boi China”, R$225,00. Média de R$220,00. Vaca a R$200,00. Novilha a R$205,00. Escalas de abate de onze dias;

Mato Grosso do Sul — O “boi comum” vale R$220,00 a arroba. O “boi China”, R$230,00. Média de R$225,00. Vaca a R$210,00. Novilha a R$215,00. Escalas de abate de oito dias;

Mato Grosso — O “boi comum” vale R$205,00 a arroba. O “boi China”, R$215,00. Média de R$210,00. Vaca a R$190,00. Novilha a R$195,00. Escalas de abate de oito dias;

Tocantins — O “boi comum” vale R$210,00 a arroba. O “boi China”, R$220,00. Média de R$215,00. Vaca a R$200,00. Novilha a R$205,00. Escalas de abate de oito dias;

Pará — O “boi comum” vale R$205,00 a arroba. O “boi China”, R$215,00. Média de R$210,00. Vaca a R$195,00. Novilha a R$200,00. Escalas de abate de dez dias;

Goiás — O “boi comum” vale R$215,00 a arroba. O “boi China/Europa”, R$225,00. Média de R$220,00. Vaca a R$205,00. Novilha a R$210,00. Escalas de abate de nove dias

Rondônia — O boi vale R$210,00 a arroba. Vaca a R$195,00. Novilha a R$200,00. Escalas de abate de nove dias;

Maranhão — O boi vale R$215,00 por arroba. Vaca a R$195,00. Novilha a R$200,00. Escalas de abate de oito dias;

Paraná — O boi vale R$225,00 por arroba. Vaca a R$210,00. Novilha a R$215,00. Escalas de abate de oito dias.

Gostou? Compartilhe:
Destaques de hoje no Portal DBO

Continue depois da publicidade

Continue depois da publicidade

clima tempo

São Paulo - SP

max

Máx.

--

min

Min.

--

017-rain

--

Chuva

008-windy

--

Vento

Continue depois da publicidade

Continue depois da publicidade

Colunas e Artigos

Continue depois da publicidade

Continue depois da publicidade

Leilões em destaque

Continue depois da publicidade

Newsletter

Newsletter

Jornal de Leilões

Os destaques do dia da pecuária de corte, pecuária leiteira e agricultura diretamente no seu e-mail.

Continue depois da publicidade

Vaca - 30 dias

Boi Gordo - 30 dias

Fonte: Scot Consultoria

Vaca - 30 dias

Boi Gordo - 30 dias

Fonte: Scot Consultoria

Continue depois da publicidade

Encontre as principais notícias e conteúdos técnicos dos segmentos de corte, leite, agricultura, além da mais completa cobertura dos leilões de todo o Brasil.

Encontre o que você procura:

Pular para o conteúdo