Conteúdo Original | Revista DBO

Vaca brava, nem pensar!

Temperamento ruim é igual eficiência menor; LEIA o artigo do médico veterinário e professor Enrico Ortolani

Fêmea de temperamento hostil é um perigo para os colaboradores.

Por Enrico Ortolani – Professor titular de Clínica de Ruminantes da FMVZ-USP (ortolani@usp.br)

O temperamento e o humor, desde muito cedo, foram estudados e classificados, primeiro nos homens e depois nos animais. Hipócrates, o pai da medicina, que viveu quatro séculos antes da era Cristã, classificou o ser humano como: fleumático (sempre calmo e frio); melancólico (minimamente reativo e “para baixo”); sanguíneo (excitado, porém não desagradável) e colérico (emocional, “nervos à flor da pele” e desagradável). Outras classificações posteriores aumentaram essa escala de temperamentos.

Nos bovinos, também existem muitas classificações, mas prefiro adotar uma escala de 1 a 5, distinguindo-os como: 1) mansos ou dóceis; 2) parcialmente mansos (normais); 3) razoavelmente bravos (reativos), 4) nervosos e muito bravos (mas não agressivos); 5) selvagens e agressivos. Nos últimos tempos, vários estudos pelo mundo afora verificaram que quanto mais bravo é o bovino menos produtivo ele é.

Para continuar lendo é preciso ser assinante.

Faça já sua assinatura digital da DBO

Leia todo o conteúdo da DBO a partir de R$ 12,70 por mês.

Invista na melhor informação. Uma única dica que você aproveite pagará com folga o valor da assinatura.

Já tem uma assinatura DBO?
Entre na sua conta e acesse a Revista Digital:

Continue depois da publicidade
Compartilhe:

Encontre as principais notícias e conteúdos técnicos dos segmentos de corte, leite, agricultura, além da mais completa cobertura dos leilões de todo o Brasil.

Encontre o que você procura:

Pular para o conteúdo