Conteúdo Original | Revista DBO

Vaca brava: como avaliar e lidar com ela!

O comportamento da vaca no presente pode ser, muitas vezes, resultante de boas ou más memórias do passado; LEIA o artigo do médico veterinário e professor Enrico Ortolani

Excesso de vacas no curral é sinônimo de problemas.

Por Enrico Ortolani – Professor titular de Clínica de Ruminantes da FMVZ-USP (ortolani@usp.br)

No artigo anterior, relatamos a frequência de vacas bravas em nossos rebanhos e os efeitos negativos deste temperamento selvagem sobre a produtividade, a saúde etc. Agora, é hora de contar como classificar o grau de braveza, como acalmar as “feras” e que animais descartar do rebanho. Vamos comer a “vaca” pelos bifes! Já foram descritos vários métodos, aplicados no próprio curral, para avaliar o temperamento dos animais.

Citarei os principais e os que apresentam os melhores resultados práticos. Para começar, nunca faça o teste em vacas nos últimos 30 dias de gestação ou 20 dias pós-parto. No primeiro caso, o teste poderá aumentar o risco de abortamento na lida com as gestantes, e, no segundo período, o comportamento da vaca parida estará naturalmente alterado, devido a um conjunto de hormônios liberados para aumentar o grau de maternidade da fêmea.

Para continuar lendo é preciso ser assinante.

Faça já sua assinatura digital da DBO

Leia todo o conteúdo da DBO a partir de R$ 12,70 por mês.

Invista na melhor informação. Uma única dica que você aproveite pagará com folga o valor da assinatura.

Já tem uma assinatura DBO?
Entre na sua conta e acesse a Revista Digital:

Continue depois da publicidade
Compartilhe:

Encontre as principais notícias e conteúdos técnicos dos segmentos de corte, leite, agricultura, além da mais completa cobertura dos leilões de todo o Brasil.

Encontre o que você procura:

Pular para o conteúdo