Conteúdo Original | Revista DBO

Impacto da matriz Nelore no cruzamento

Estudo da USP reforça importância de um plano genético de fêmeas para maior padronização das progênies F1

Por Denis Cardoso

O cruzamento industrial entre as raças Nelore e Angus já está consolidado na pecuária brasileira, porém seus resultados esbarram em um gargalo frequente: a falta de padronização dos produtos destinados ao abate. Lotes contemporâneos de uma mesma fazenda podem apresentar diferenças de até 10 pontos percentuais no rendimento de carcaça e disparidades significativas em relação à maciez da carne, cobertura de gordura e marmoreio.

Qual a origem desse problema? Um estudo científico realizado em fazendas comerciais do Centro-Oeste do País procurou lançar luz sobre o tema, partindo do pressuposto de que, para entender a despadronização das progênies, é preciso investigar não apenas a genética dos pais (no caso do experimento, touros Angus), mas também o perfil das mães (vacas Nelore).

Para continuar lendo é preciso ser assinante.

Faça já sua assinatura digital da DBO

Leia todo o conteúdo da DBO a partir de R$16,90 por mês.

Invista na melhor informação. Uma única dica que você aproveite pagará com folga o valor da assinatura.

Já tem uma assinatura DBO?
Entre na sua conta e acesse a Revista Digital:

Continue depois da publicidade
Compartilhe:

Encontre as principais notícias e conteúdos técnicos dos segmentos de corte, leite, agricultura, além da mais completa cobertura dos leilões de todo o Brasil.

Encontre o que você procura: