Conteúdo Original | Revista DBO

Comida pra todo lado

Fazenda do MS tem boa margem de lucro com novilhos de 22-25@ , produzidos em pastos em parceria com a agricultura e suplementação simples.

Na TIP, os animais comem de 4 a 6 kg/cab/dia.

Por Ariosto Mesquita

“Em momentos desafiadores, se houver lenha, queime com sabedoria”, diz o ditado. É o que faz a Fazenda Terra Roxa, para entregar qualidade com lucratividade, apesar do cenário de baixa da arroba. Localizada em Aral Moreira (MS), bem próximo à fronteira do Brasil com o Paraguai, essa propriedade, pertencente ao pecuarista Paulo César Batista Vieira (71 anos), produz animais Nelore pesados e jovens: machos com 22-25@ aos 30-34 meses e fêmeas com 18-20@ aos 22 meses, em média.

O fornecimento à indústria deste perfil de animais é possível graças a três condições “fora da casinha”: solo fértil (perto de 85% de argila), pasto de qualidade o ano inteiro e uma agricultura terceirizada por meio da integração lavoura-pecuária (ILP). O tripé produtivo é reforçado por uma suplementação ajustada ao momento atual da pecuária, mas que faz total diferença no resultado final. Com ela, o produtor consegue manter os animais na fazenda por no máximo 24 meses, sem custos altos e com margem de lucro favorável (cerca de 10%).

Para continuar lendo é preciso ser assinante.

Faça já sua assinatura digital da DBO

Leia todo o conteúdo da DBO a partir de R$ 12,70 por mês.

Invista na melhor informação. Uma única dica que você aproveite pagará com folga o valor da assinatura.

Já tem uma assinatura DBO?
Entre na sua conta e acesse a Revista Digital:

Continue depois da publicidade
Compartilhe:

Encontre as principais notícias e conteúdos técnicos dos segmentos de corte, leite, agricultura, além da mais completa cobertura dos leilões de todo o Brasil.

Encontre o que você procura:

Pular para o conteúdo