Conteúdo Original | Revista DBO

Capim-capeta: a pandemia dos pastos

Presença da invasora cresce no Brasil e exige estratégia de longo prazo

Área com alta infestação, onde já não se vê a forrageira plantada para pastejo do gado.

Por Larissa Vieira

A cigarrinha era praticamente o único problema que o pecuarista paraense Ubiratan Lessa Novelino Filho enfrentava nas pastagens de suas duas propriedades, as fazendas Madressilva e Benfica, localizadas no município de Benevides, a 30 km da capital do Pará. Tudo mudou há três anos, quando identificou uma infestação grande do capim-capeta, cujo nome científico é Sporobolus spp.

“Foi tudo muito rápido, como em um piscar de olhos. Mesmo mantendo minhas pastagens bem adubadas, vários pontos nas duas fazendas, que são vizinhas, já apresentavam o capim [apelidado por alguns de ‘capim-pt’]”, lembra Ubiratan.

A primeira tentativa de eliminar o problema foi feita com a aplicação de glifosato, mas a planta daninha voltou a brotar em grande quantidade por todo o pasto, tanto nas áreas de mombaça quanto de tangola e humidícola.

Para continuar lendo é preciso ser assinante.

Faça já sua assinatura digital da DBO

Leia todo o conteúdo da DBO a partir de R$16,90 por mês.

Invista na melhor informação. Uma única dica que você aproveite pagará com folga o valor da assinatura.

Já tem uma assinatura DBO?
Entre na sua conta e acesse a Revista Digital:

Continue depois da publicidade
Compartilhe:

Encontre as principais notícias e conteúdos técnicos dos segmentos de corte, leite, agricultura, além da mais completa cobertura dos leilões de todo o Brasil.

Encontre o que você procura: