OUÇA | Mão de obra qualificada é mais produtividade na fazenda

A capacitação de pessoas na fazenda não é despesa, mas investimento em maior produção e lucro, a exemplo de máquinas modernas, genética de ponta e outras tecnologias indiscutíveis

Continue depois da publicidade

Contrapondo a alta taxa de desemprego registrada no Brasil (7,8%), a carência de mão de obra qualificada, em diversos setores econômicos, também é igualmente alarmante e reflete um grande problema estrutural do país: a falta de boa educação. Empresários sob as leis trabalhistas não mais suportam tamanha rotatividade nos postos de trabalho.

Na bovinocultura de corte não é diferente. Pesquisa da ManpowerGroup Brasil de 2022 revelou que a falta de mão de obra qualificada na atividade gira em torno de 81%, percentual muito próximo do número de pessoas que optaram por fixar moradia nos centros urbanos, que é de 84%. Certo é que, atualmente, sempre há uma vaga em aberto na fazenda.


Outra contradição é que, curiosamente, quem está no campo melhorou seu nível de escolaridade. Há 50 anos, o número de analfabetos girava em torno de 26%. Hoje, ele não chega a 3%. Logo, até pela própria evolução dos meios de comunicação e acesso à Internet, todos sabem o que são boas condições de trabalho.

Um olhar para quem cuida da lida – Quem acompanha de perto essa dura realidade é Jaqueline Lubaski, pedagoga, jornalista e consultora de gestão de pessoas no agronegócio pela Destrave Desenvolvimento. Para ela, a conjuntura do campo é “desesperante”, em especial nas propriedades de pecuária. “Não temos mais vaqueiros”, ressalta.

Jaqueline Lubaski, da Destrave Desenvolvimento (Foto: Arquivo pessoal)

OUÇA os comentários de Jaqueline Lubaski

E o problema se agrava na medida em que as empresas rurais são mais produtivas e apresentam maior nível de tecnificação. A principal estratégia da Agrojem, empresa de pecuária verticalizada – confinamento com capacidade para 70 mil cabeças com propriedades no Tocantins, é a Integração Lavoura Pecuária (ILP).

Tem atualmente 500 funcionários distribuídos na agricultura (34 mil hectares de cultivo entre 1a e 2a safras) e na operação de pecuária, com duas unidades de confinamento. “A boa condução da ILP é um enorme desafio por si só. Contudo, a terminação intensiva, não só para o uso inteligente da terra como também das máquinas e estruturas disponíveis ampliam as dificuldades”.

É o que salienta Pablo Pusterla, diretor administrativo e de recursos humanos da Agrojem. Ele explica que a rotatividade do setor ainda é muito alta. Porém, observa que, conforme as ações de desenvolvimento se consolidam, também aumenta a longevidade dos colaboradores na empresa. “Assim melhoramos em todos os setores, principalmente de segurança e operação do confinamento”.

Pablo Pusterla, da Agrojem (Foto: Arquivo pessoal)

As ações da Agrojem vão ao encontro das ações que Lubaski defende como necessárias para minimizar os problemas de mão de obra no campo. Elas pedem que cada produtor responda uma pergunta simples: “Será que eu trabalharia nas condições que a minha empresa (empresário ou gestor) oferecem?”.

 

Colaboradores mais conscientes e satisfeitos – A necessidade de investir nas condições de trabalho e capacitação, dentro da fazenda, também se tornou prioritária para Antônio Carlos Rezende, do Grupo Rezende, com propriedades no Mato Grosso, um dos Estados mais afetados pela carência de mão de obra qualificada, até de nível superior. “As pessoas têm menos vontade trabalhar em fazenda”, diz.

Antônio Carlos Rezende, do Grupo Rezende (Foto: Arquivo pessoal)

OUÇA os comentários de Antônio Carlos Rezende

Ele é outro criador que possui pecuária verticalizada, inclusive com forte produção de touros Nelore CEIP e PO (1 mil/ano). São duas fazendas no Pantanal (Santo Antônio do Leverger, MT) com 17 mil matrizes em cria e outras duas (região de Juscimeira, MT) em recria, engorda e preparação de touros para venda, ambas com Integração Lavoura Pecuária (ILP).

 

E esse cenário de evasão de mão de obra, até pelo êxodo rural que ainda é realidade, só tem como alternativa o investimento nas pessoas, conforme aponta a especialista Jaqueline Lubaski que, inclusive, defende tais “recursos como se fossem quaisquer outros na fazenda, visando incrementar a produtividade”.

 

Ana Nery Terra Souza, diretora Estratégica do Grupo Água Tirada, com pecuária também verticalizada e propriedades no Mato Grosso do Sul, adquiriu essa consciência já se vão bons anos. Ela é bastante crítica em relação a educação oferecida no Brasil. “Entendo que há um descompasso com as demandas”, justifica.

Ana Nery Terra Souza, diretora Estratégica do Grupo Água Tirada (Foto: Arquivo pessoal)

Ela fala de pessoas em vários níveis de formação “nada preparadas quanto a habilidades, conhecimento técnico, comportamental, liderança e gestão”, mas que vê caminhos para candidatos a profissionais “sem experiência”. Para tanto fechou parceria com a Universidade Federal do Mato Grosso do Sul (UFMS).

“Recebemos muitos estagiários para que, cada vez mais, os novos tenham a possibilidade de lidar com as atividades operacionais e ganhar bagagem. Também recebemos alunos dos ensinos fundamental e médio para que possam desenvolver interesse pelo setor e, quem sabe, até vislumbrar carreira”, afirma.

Da capacitação ao complemento da educação básica – A diretora acredita na relevância de treinamentos, cursos e eventos técnicos para a capacitação dos colaboradores do Grupo, além de treinamentos comportamentais, voltados até para relacionamento familiar, e na parte de gestão, de modo que possam se desenvolver continuamente dentro de seus respectivos potenciais e ambições.

Outra ação realizada é uma parceria com a Fundação Shunji Nishimura que oferece escola com aulas remotas no contraturno para os filhos dos colaboradores lotados no Pantanal.

No bioma está a “maior concentração de dificuldades, com sistema educacional formal deficitário, sem qualquer ferramenta que desperte interesse pela lida nas fazendas, nem mesmo a sucessão nas propriedades”.

O Grupo Água Tirada ainda conta com o apoio de parceiros como Senar, empresas privadas de nutrição animal, sanidade, máquinas e implementos, entre outros. Além disso, como dito anteriormente, oferecemos treinamentos em gestão e desenvolvimento pessoal, cursos e apoio direto para relacionamento familiar.

OUÇA MAIS 

Sairá na frente quem logo aceitar as mudanças climáticas

É possível colocar o pé no freio da oferta do boi gordo?

Cinco dicas para a melhor transição seca-chuvas

Na gôndola de capim está o que você precisa

O melhor capim é aquele que a fazenda já tem; confira 5 passos para escolher

ILP e ‘boi safrinha’ apoiam pecuária em ciclo de baixa

Seis ações para diminuir prejuízos na desmama

Seis alvos de atenção para sobreviver ao ciclo de baixa da pecuária

Colocando o ‘boi-China’ no seu devido lugar

Pecuária de corte: principais erros cometidos na seca começaram nas águas

Se vai terminar, fique atento às fontes de proteína na sua região

Confinando no menor intervalo de tempo possível

Sete passos para a promoção do melhoramento animal

Não é permitida a cópia integral do conteúdo acima. A reprodução parcial é autorizada apenas na forma de citação e com link para o conteúdo na íntegra. Plágio é crime de acordo com a Lei 9610/98.

DBO, há mais de 40 anos acompanhando e contribuindo para uma pecuária cada vez mais moderna e eficiente.

Gostou? Compartilhe:
Mais conteúdo

Continue depois da publicidade

Continue depois da publicidade

Vaca - 30 dias

Boi Gordo - 30 dias

Fonte: Scot Consultoria

Colunas e Artigos

Continue depois da publicidade

Continue depois da publicidade

Raças

Continue depois da publicidade

Continue depois da publicidade

Newsletter

Newsletter

Jornal de Leilões

Os destaques do dia da pecuária de corte, pecuária leiteira e agricultura diretamente no seu e-mail.

Continue depois da publicidade

Revista DBO

Destaques

Os benefícios de cada estabelecimento é liberado apenas para membros com assinatura válida.

Cooperativas ‘abrem alas’ para o boi

Gigantes da agricultura e da produção leiteira começam a ver o gado de corte como importante parceiro de suas atividades-mãe e lançam programas específicos para pecuaristas.

Para continuar lendo é preciso ser assinante.


Faça já sua assinatura digital da DBO


Leia todo o conteúdo da DBO a partir de R$16,90 por mês.

Invista na melhor informação. Uma única dica que você aproveite pagará com folga o valor da assinatura.

Você precisa adquirir uma de nossas assinaturas.

Os benefícios de cada estabelecimento é liberado apenas para membros com assinatura válida.
Os benefícios de cada estabelecimento é liberado apenas para membros com assinatura válida.
Os benefícios de cada estabelecimento é liberado apenas para membros com assinatura válida.

Vídeo

Os destaques no vídeo da Edição:

Os benefícios de cada estabelecimento é liberado apenas para membros com assinatura válida.
Os benefícios de cada estabelecimento é liberado apenas para membros com assinatura válida.
Os benefícios de cada estabelecimento é liberado apenas para membros com assinatura válida.
Os benefícios de cada estabelecimento é liberado apenas para membros com assinatura válida.
Os benefícios de cada estabelecimento é liberado apenas para membros com assinatura válida.
Os benefícios de cada estabelecimento é liberado apenas para membros com assinatura válida.

Continue depois da publicidade

Continue depois da publicidade

Newsletter

Newsletter

Destaques do Dia

Os destaques do dia da pecuária de corte, pecuária leiteira e agricultura diretamente no seu e-mail.

Continue depois da publicidade

Continue depois da publicidade

Continue depois da publicidade

Programas

Continue depois da publicidade

Continue depois da publicidade

Continue depois da publicidade

Encontre as principais notícias e conteúdos técnicos dos segmentos de corte, leite, agricultura, além da mais completa cobertura dos leilões de todo o Brasil.

Encontre o que você procura: