OUÇA | Água de qualidade é a gasolina aditivada para o bovino

Apesar de toda a tecnologia em nutrição, sanidade, genética, sementes de pastagens e equipamentos de trabalho, a água oferecida ao rebanho brasileiro ainda não conta com a atenção devida

Continue depois da publicidade

Com as margens de lucro cada vez mais apertadas, principalmente nos sucessivos ciclos de baixa de preços, como o atual, a bovinocultura de corte precisa de mais eficiência produtiva. Em outras palavras é preciso produzir mais com cada vez menos.

E um ponto fundamental que merece todos os investimentos é na qualidade da água que se oferta aos animais. Um dos grandes especialistas do assunto é Fernando Loureiro Lima, médico veterinário e diretor da Rubber Tank, empresa fornecedora de equipamentos e serviços para o fornecimento de água às fazendas, no Mato Grosso do Sul.


Entre outros aspectos, ele define o que é uma água de qualidade. Nos bastidores, até deixa a questão: – Você beberia a água que oferece aos seus animais?

Foto: Divulgação

OUÇA  os comentários de Fernando Loureiro Lima

Confira cinco pilares para se estruturar uma oferta de água de qualidade:

1. Servir água onde mais os bovinos precisam dela e exijam menos locomoção para o acesso. O gasto energético que cada animal dispende para caminhar até os bebedouros ainda é muito grande, no Brasil.

Existem trabalhos científicos que delimitam essa distância em até 400m, de ponto de consumo de comida. Logo, um planejamento deve fixar a oferta de água centralizada entre os vários pontos de nutrição. Essa configuração pressupõe invernadas mais quadradas para equilibrar as distâncias.

2. Esse planejamento envolve considerar orçamento à necessidade de água diária para dessedentação (matar a sede), o volume de animais atendidos com previsão de eventuais expansões (intensificação), seu gradual ganho de peso ao longo dos dias (10% a mais do peso vivo): garrotes e novilhas com 200kg de peso vivo, cerca de 20l/dia; vacas de 400kg, 40l/dia; e bois em fase final de terminação com 550kg, 55l/dia. Em cima disso se orça o quanto de água deverá ser captada.

3. O investimento requer a previsão de licenças e respostas como se serão necessários poços artesianos; ou de outorga para captação em mananciais (nascentes, riachos e rios que correm a propriedade); além da mensuração de distâncias. Dessa forma, torna-se independente do regime de chuvas.

Foto: Divulgação

Açudes e represas podem secar e oferecer barro para matar a sede; então, é sempre bom fugir dos riscos das estiagens fora do normal. As mudanças climáticas são realidade e não se deve estar sujeito a elas. As perdas ocorrem por infiltração no solo e, obviamente, pela evaporação.

4. A água servida pode ser oriunda de açudes e represas da propriedade, porém em bebedouros artificiais, mesmo sem filtros ou tratamentos químicos. Mas essa oferta deve considerar todas as variáveis e fugir de eventuais riscos de perdas de volume e qualidade. Os bebedouros artificias impedem o acesso direto dos animais às fontes, reduzindo a contaminação. Deve-se manter os equipamentos limpos.

 

O que diz a Embrapa – A falta de água para dessedentação dos animais tem como consequências a redução do crescimento, do bem-estar e da saúde e o aumento do estresse, ou seja, resulta em consideráveis impactos negativos nos fatores zootécnicos e econômicos.

Sendo esses impactos de conhecimento de produtores, profissionais, extensionistas, enfim dos atores relacionados às atividades pecuárias, pergunta-se: por que a medição do consumo de água pelos animais não é uma prática comum?

O consumo de água é um dos indicadores disponíveis para avaliar o desempenho zootécnico e sanitário de um rebanho. Ele compreende todas as características que determinam um bom indicador: é de fácil mensuração, tem custo reduzido para medição e é de amplo entendimento pelos atores.

Monitorá-lo significa dispor de informações valiosas que auxiliarão na tomada de decisão sobre os aspectos produtivos, econômicos, sociais e ambientais. Sem um rebanho saciado nessa necessidade básica não há bovinocultura de corte lucrativa e sustentável.

OUÇA MAIS 

Desmama temporária aumenta a fertilidade das vacas de corte

Mão de obra qualificada é mais produtividade na fazenda

Sairá na frente quem logo aceitar as mudanças climáticas

É possível colocar o pé no freio da oferta do boi gordo?

Cinco dicas para a melhor transição seca-chuvas

Na gôndola de capim está o que você precisa

O melhor capim é aquele que a fazenda já tem; confira 5 passos para escolher

ILP e ‘boi safrinha’ apoiam pecuária em ciclo de baixa

Seis ações para diminuir prejuízos na desmama

Seis alvos de atenção para sobreviver ao ciclo de baixa da pecuária

Colocando o ‘boi-China’ no seu devido lugar

Pecuária de corte: principais erros cometidos na seca começaram nas águas

Se vai terminar, fique atento às fontes de proteína na sua região

Confinando no menor intervalo de tempo possível

Sete passos para a promoção do melhoramento animal

Não é permitida a cópia integral do conteúdo acima. A reprodução parcial é autorizada apenas na forma de citação e com link para o conteúdo na íntegra. Plágio é crime de acordo com a Lei 9610/98.

DBO, há mais de 40 anos acompanhando e contribuindo para uma pecuária cada vez mais moderna e eficiente.

Gostou? Compartilhe:
Mais conteúdo

Continue depois da publicidade

Continue depois da publicidade

Vaca - 30 dias

Boi Gordo - 30 dias

Fonte: Scot Consultoria

Colunas e Artigos

Continue depois da publicidade

Continue depois da publicidade

Raças

Continue depois da publicidade

Continue depois da publicidade

Newsletter

Newsletter

Jornal de Leilões

Os destaques do dia da pecuária de corte, pecuária leiteira e agricultura diretamente no seu e-mail.

Continue depois da publicidade

Revista DBO

Destaques

Os benefícios de cada estabelecimento é liberado apenas para membros com assinatura válida.

Cooperativas ‘abrem alas’ para o boi

Gigantes da agricultura e da produção leiteira começam a ver o gado de corte como importante parceiro de suas atividades-mãe e lançam programas específicos para pecuaristas.

Para continuar lendo é preciso ser assinante.


Faça já sua assinatura digital da DBO


Leia todo o conteúdo da DBO a partir de R$16,90 por mês.

Invista na melhor informação. Uma única dica que você aproveite pagará com folga o valor da assinatura.

Você precisa adquirir uma de nossas assinaturas.

Os benefícios de cada estabelecimento é liberado apenas para membros com assinatura válida.
Os benefícios de cada estabelecimento é liberado apenas para membros com assinatura válida.
Os benefícios de cada estabelecimento é liberado apenas para membros com assinatura válida.

Vídeo

Os destaques no vídeo da Edição:

Os benefícios de cada estabelecimento é liberado apenas para membros com assinatura válida.
Os benefícios de cada estabelecimento é liberado apenas para membros com assinatura válida.
Os benefícios de cada estabelecimento é liberado apenas para membros com assinatura válida.
Os benefícios de cada estabelecimento é liberado apenas para membros com assinatura válida.
Os benefícios de cada estabelecimento é liberado apenas para membros com assinatura válida.
Os benefícios de cada estabelecimento é liberado apenas para membros com assinatura válida.

Continue depois da publicidade

Continue depois da publicidade

Newsletter

Newsletter

Destaques do Dia

Os destaques do dia da pecuária de corte, pecuária leiteira e agricultura diretamente no seu e-mail.

Continue depois da publicidade

Continue depois da publicidade

Continue depois da publicidade

Continue depois da publicidade

Programas

Continue depois da publicidade

Continue depois da publicidade

Continue depois da publicidade

Encontre as principais notícias e conteúdos técnicos dos segmentos de corte, leite, agricultura, além da mais completa cobertura dos leilões de todo o Brasil.

Encontre o que você procura: