OUÇA 🎧 | 15 passos para se tornar um agricultor de capim

Uma rentabilidade maior no negócio pecuário, atendendo às demandas globais de consumo, como a sustentabilidade, pode estar a poucos passos do produtor da carne bovina

Continue depois da publicidade

Especialistas de vários setores da bovinocultura de corte são unânimes e categóricos ao afirmarem: o pecuarista precisa ser, antes de qualquer coisa, um agricultor de capim.

E como a atividade pede cada dia mais produtividade e sustentabilidade, “quem não se tornar” pode ficar de fora.


Por diversos motivos, pastagens cultivadas no Brasil ainda é um tabu. Certo é que “sem planejamento e conhecimento adequados, as coisas podem se complicar muito. Mas não se trata de um bicho de sete cabeças”.

É o que nos traz Alexandre Campo Gonçalves, engenheiro agrônomo formado pela Esalq/USP e diretor da Alecrim Consultoria.

Foto: Arquivo pessoal

OUÇA 🎧 o comentário de Alexandre Campos Gonçalves

1. Cercar-se sempre de bons profissionais para apoiá-lo no planejamento, tomada de decisões e execução do trabalho, no dia a dia.

2. Realizar um diagnóstico da propriedade como um todo. Verificar onde você está, sua localidade, região, relevo, clima, oferta de mão de obra e sua equipe, espécie animal com que vai trabalhar, etc.

3. Fazer análise ou análises (pode haver variedade na fazenda) de solo, principalmente para avaliar seus aspectos físicos e químicos.

4. Fazer um desenho do sistema que se quer, combinando o que foi levantado no diagnóstico da propriedade com os objetivos de criação, a espécie animal envolvida e a forrageira escolhida. Isso permitirá conhecer como o sistema será operado.

Capim surgindo em área de integração lavoura-pecuária (Foto: Arquivo pessoal)

5. Montar um planejamento estratégico sobre o desenho do sistema, respondendo, por exemplo, como serão realizadas as ações, em quais modelos: se serão tratadas áreas para pastejo, exclusivamente; se para integração lavoura pecuária (ILP), pecuária floresta (IPF) ou lavoura pecuária floresta (ILPF).

6. Definir a espécie animal e raças que melhor se acomodem e respondam às condições ambientais oferecidas. Se você dependerá de reposição é importante ficar atento à oferta no mercado da sua região.

BRS Piatã (Foto: Arquivo pessoal)

7. Escolher a planta forrageira vem em seguida e deve acontecer considerando as características dos animais em trabalho, definidos no passo anterior.

8. O próximo passo é definir como se dará o pastejo. Ele pode ser rotacionado, contínuo ou alternado. Certo é que quanto mais caminhar para um modelo rotacionado – giro por vários piquetes – mais será possível caminhar para um desfolhamento e manejos eficientes. Contudo, com manejo adequado, o pastejo contínuo também pode ser considerado.

Adubação de cobertura ou reposição de nutrientes

9. Casada com as ações do próximo passo, o solo deverá receber seu trato para oferecer nutrientes ao capim, com as devidas correções, por exemplo, de acidez. A partir desse momento devem estar traçadas outras correções e reposições de nutrientes, durante sua vida produtiva.

10. Então chegou a hora de olhar para o capim. É o momento de recuperar ou reformar pastagem, principalmente se a forrageira for substituída. Há todo um protocolo de ações, dependendo das sementes, ferramentas de plantio e variedade da planta.

11. O passo seguinte é definir a desfolhação. Qual a melhor altura para entrar com os animais e qual a de retirá-los? Isso precisa ser definido como manejo para assegurar a longevidade da pastagem e o melhor rendimento do rebanho.

12. Depois é estabelecer a manejo integrado de pragas e doenças do pasto. Embora haja ambientes muito propícios ao desenvolvimento vegetal no Brasil. Os problemas são muitos e variáveis, como cupim e cigarrinha, dependendo da região do país. Deve-se monitorar com efetividade de modo que as ações sejam oportunas para a melhor produtividade do sistema.

13. Em seguida é hora de traçar um plano de suplementação aos animais: uma mineralização simples, proteinada, proteinada energética, creep feeding etc. A estratégia é fundamental para fornecer ao gado aquilo que o capim não produz, principalmente no período da seca. Uma alternativa ao fornecimento de suplementação mais robusta é a redução da lotação animal.

14. Estabelecer um monitoramento de todo o sistema produtivo de modo que se possa identificar onde funciona ou não, em cada uma das engrenagens, permitindo tomada de decisões e reorientação.

15. O último passo é estabelecer o monitoramento das finanças da propriedade. Está dando dinheiro? O resultado financeiro está compatível com a atividade? O faturamento está dentro do previsto pelo planejamento inicial? Se a resposta for sim, ótimo! Se não, refaça tudo e descubra o que deu errado.

OUÇA 🎧 MAIS

Oito passos para o pecuarista fazer seu planejamento estratégico

Bons pastos e manejo reduzem tempo no confinamento

Menos tempo no cocho, arroba produzida mais barata

VÍDEO | Reposição bem feita visando o lucro na pecuária de corte; Gêra Nunes comenta

Gostou? Compartilhe:
Destaques de hoje no Portal DBO

Continue depois da publicidade

Continue depois da publicidade

clima tempo

São Paulo - SP

max

Máx.

--

min

Min.

--

017-rain

--

Chuva

008-windy

--

Vento

Continue depois da publicidade

Colunas e Artigos

Continue depois da publicidade

Continue depois da publicidade

Leilões em destaque

Continue depois da publicidade

Newsletter

Newsletter

Jornal de Leilões

Os destaques do dia da pecuária de corte, pecuária leiteira e agricultura diretamente no seu e-mail.

Continue depois da publicidade

Vaca - 30 dias

Boi Gordo - 30 dias

Fonte: Scot Consultoria

Vaca - 30 dias

Boi Gordo - 30 dias

Fonte: Scot Consultoria

Continue depois da publicidade

Programas

Continue depois da publicidade

Continue depois da publicidade

Continue depois da publicidade

Encontre as principais notícias e conteúdos técnicos dos segmentos de corte, leite, agricultura, além da mais completa cobertura dos leilões de todo o Brasil.

Encontre o que você procura: