Mesmo diante de um consumo de carne bastante fraco, preços da arroba seguem estáveis

Volume de negócios seguem em ritmo lento e são suficientes apenas para sustentar o atendimento das programações em 11 dias, na média nacional, afirma a Agrifatto

Continue depois da publicidade

Nesta quarta-feira (19/6), sem mudanças de comportamento em relação aos dias anteriores, o mercado físico do boi gordo continuou operando de forma estável na maioria das praças brasileiras, informam as consultorias que acompanham diariamente o setor pecuário.

Segundo a Agrifatto, a pressão de baixa sobre a arroba do boi gordo mudou de direção nos últimos dias. “Agora, várias regiões produtoras, como Pará, Tocantins e Mato Grosso do Sul, registraram tendência de elevação nos preços da arroba”, aponta a consultoria.

Pelos dados apurados pela Agrifatto, porém, o mercado segue travado nesta semana. “O volume negociado ontem foi apenas o suficiente para sustentar o atendimento das programações em 11 dias, na média nacional”, afirmam os analistas.

Nesta quarta-feira, a cotação da arroba em São Paulo (valor médio entre o animal “comum” e “boi-China) permaneceu em R$ 220/@ em São Paujlo. “Duas das 17 praças acompanhadas registraram valorizaram da arroba: Mato Grosso e Paraná”, informa a Agrifatto. As outras 15 regiões monitoradas pela consultoria mantiveram as cotações do boi gordo estáveis.

De acordo com levantamento da Scot Consultoria, a pressão de baixa sobre os preços observadas no início do mês vem aos poucos perdendo força, dando lugar a estabilidade.

“Com o final da safra de boi, a menor oferta de boiadas começa ser percebida no mercado, contudo, o consumo (de carne bovina) caminha a passos lentos”, relata a Scot.

Em São Paulo, as escalas de abate, apesar de estarem encurtando, continuam ainda confortáveis, em média, para 11 dias, reforça a Scot. “As indústrias frigoríficas estão comprando o necessário para o fechamento da escala”, acrescenta.

Dessa forma, na praça paulista, os preços de todas as categorias ficaram estáveis nesta quarta-feira, segundo apuração da Scot.

Assim, o boi gordo está cotado em R$ 217/@, a vaca em R$ 195/@ e a novilha em R$ 210/@. A arroba do “boi-China” (base SP) está valendo R$ 220, com ágio de R$ 3/@ sobre o animal “comum”, informa a Scot.

VEJA TAMBÉM | Queda do ágio do “boi-China”: como lidar com mais esse aperto na margem de lucro; OUÇA

No mercado futuro, o contrato com vencimento para junho/24 encerrou o pregão da terça-feira (18/6) cotado a R$ 223,65/@, com ligeira queda de 0,69% em comparação ao dia anterior. Por sua vez, o contrato com vencimento em outubro/24 fechou a R$ 241,90/@, com pequena desvalorização diária de 0,19%.

Varejo/atacado – Nos três primeiros dias desta semana, em São Paulo, as vendas de carne bovina no varejo e as distribuições do atacado (com e sem ossos) têm sido inexpressivas, relata a Agrifatto.

“Pelo fraco movimento da segunda quinzena e o baixo volume de pedidos para reposição dos estoques do varejo, já há mercadorias estacionadas nos pontos de distribuição sem previsão de descarga”, informa a consultoria.

Quanto às negociações semanais, o volume a ser alocado pelos frigoríficos para o setor atacadista a partir de amanhã (quinta-feira, 20/6) parece estar em linha com o volume do mesmo dia da semana anterior, acrescentam os analistas.

SAIBA MAIS | Cepea: preços de cortes mais baratos da carne bovina reagem no atacado

“Sem expectativas de aumento, a tendência desta semana indica preços estáveis (para os cortes bovinos), porém, com sustentação mediana/baixa para a maioria dos produtos com ossos, seja para consumo direto ou industrialização (charque)”, afirma a Agrifatto.

China – Após semanas de queda no ritmo de importações da China, na última semana houve um maior número de pedidos de diferentes agentes para o encerramento de novos negócios envolvendo a entrega internacional de carne bovina, relata a Agrifatto.

No entanto, embora tenha movimentação e mais procura, ainda não há preços mais altos para a carne bovina importada pelos chineses, acrescenta a consultoria.

“As últimas ofertas da China para compra de dianteiro foram em US$4.100/t a US$4.500/t, um preço bem menor do que os exportadores gostariam, mas que, diante da pressão de oferta atual, está tendo efetividade”, observa a Agrifatto.

O governo chinês divulgou os dados de importação referente ao quarto mês de 2024. Foram adquiridas 224,40 mil toneladas de carne bovina pelos chineses em abril/24, volume 7,68% menor que o registrado em março/24, mas 22,94% a mais que o computado em abril/23, informa a Agrifatto.

SAIBA MAIS | Carne bovina: China atinge a marca de 1 milhão de toneladas importada até abril/24

Com esse resultado, as importações chinesas de carne bovina atingiram o volume de 995,62 mil de toneladas no acumulado dos quatro primeiros meses do ano, resultado 21,96% maior que o observado no mesmo período de 2023.

O Brasil, relembra a Agrifatto, é de longe o maior fornecedor de carne bovina para a China. Segundo as estatísticas oficiais do país asiático, somente em abril/24 foram embarcadas 90,83 mil toneladas de carne bovina brasileira em território chinês.

Em segundo lugar ficou a Argentina, de onde os chineses adquiriram 44,85 mil toneladas. A Austrália ocupou a terceira posição, com 21,21 mil toneladas fornecidas no período.

Preços dos animais terminados apurados pela Agrifatto na quarta-feira (19/6):

São Paulo — O “boi comum” vale R$215,00 a arroba. O “boi China”, R$225,00. Média de R$220,00. Vaca a R$195,00. Novilha a R$210,00. Escalas de abates de doze dias;

Minas Gerais — O “boi comum” vale R$200,00 a arroba. O “boi China”, R$210,00. Média de R$205,00. Vaca a R$180,00. Novilha a R$195,00. Escalas de abate de catorze dias;

Mato Grosso do Sul — O “boi comum” vale R$215,00 a arroba. O “boi China”, R$215,00. Média de R$215,00. Vaca a R$190,00. Novilha a R$200,00. Escalas de abate de oito dias;

Mato Grosso — O “boi comum” vale R$205,00 a arroba. O “boi China”, R$210,00. Média de R$207,50. Vaca a R$185,00. Novilha a R$195,00. Escalas de abate de dez dias;

Tocantins — O “boi comum” vale R$200,00 a arroba. O “boi China”, R$200,00. Média de R$200,00. Vaca a R$175,00. Novilha a R$180,00. Escalas de abate de nove dias;

Pará — O “boi comum” vale R$200,00 a arroba. O “boi China”, R$200,00. Média de R$200,00. Vaca a R$175,00. Novilha a R$180,00. Escalas de abate de onze dias;

Goiás — O “boi comum” vale R$200,00 a arroba. O “boi China/Europa”, R$210,00. Média de R$205,00. Vaca a R$185,00. Novilha a R$200,00. Escalas de abate de dez dias;

Rondônia — O boi vale R$185,00 a arroba. Vaca a R$170,00. Novilha a R$175,00. Escalas de abate de treze dias;

Maranhão — O boi vale R$195,00 por arroba. Vaca a R$175,00. Novilha a R$175,00. Escalas de abate de doze dias;

Paraná — O boi vale R$220,00 por arroba. Vaca a R$195,00. Novilha a R$200,00. Escalas de abate de oito dias.

Gostou? Compartilhe:
Destaques de hoje no Portal DBO

Cadastre-se de gratuitamente na Newsletter DBO:


    Continue depois da publicidade

    Continue depois da publicidade

    Continue depois da publicidade

    clima tempo

    São Paulo - SP

    max

    Máx.

    --

    min

    Min.

    --

    017-rain

    --

    Chuva

    008-windy

    --

    Vento

    Continue depois da publicidade

    Continue depois da publicidade

    Colunas e Artigos

    Continue depois da publicidade

    Continue depois da publicidade

    Leilões em destaque

    Continue depois da publicidade

    Newsletter

    Newsletter

    Jornal de Leilões

    Os destaques do dia da pecuária de corte, pecuária leiteira e agricultura diretamente no seu e-mail.

    Continue depois da publicidade

    Vaca - 30 dias

    Boi Gordo - 30 dias

    Fonte: Scot Consultoria

    Vaca - 30 dias

    Boi Gordo - 30 dias

    Fonte: Scot Consultoria

    Continue depois da publicidade

    Encontre as principais notícias e conteúdos técnicos dos segmentos de corte, leite, agricultura, além da mais completa cobertura dos leilões de todo o Brasil.

    Encontre o que você procura:

    Pular para o conteúdo