Sazonalidade de preços do boi gordo e expectativas do mercado futuro

CONFIRA a análise do médico veterinário Hyberville Neto, consultor e diretor da HN AGRO

Continue depois da publicidade

Por Hyberville Neto – consultor e diretor da HN AGRO

Nas últimas edições falamos sobre o ciclo pecuário (Leia AQUI) e a sazonalidade do abate de fêmeas (Leia AQUI), que têm maior volume de vendas em março e maio. Hoje abordaremos o que ocorre, em média, com os preços em anos de retenção e descarte de vacas e novilhas.

Aqui é o momento em que ressaltamos que a história não é, de forma alguma, garantia de variações futuras, mas ajuda a visualizar alguma referência.


Para os cálculos, consideramos o preço do boi gordo em janeiro de cada ano como referência (base 100) e depois calculamos a evolução média em anos de descarte, retenção e no geral, entre 2011 e 2022.

Como referência de anos de descarte, usamos aqueles nos quais a participação de fêmeas nos abates foi maior que a do ano anterior e definimos como retenção os anos nos quais tal participação diminuiu. O grupo “geral” refere-se a todo o intervalo.

Veja na figura 1 essa evolução média das cotações.

Figura 1. Evolução média dos preços do boi gordo em anos de descarte, retenção, e na média geral, considerando o período de 2011 a 2022. Fonte: CEPEA / IBGE / HN AGRO

Na média dos anos de descarte, a cotação em outubro foi equivalente a 98,2% daquela em janeiro. Em outras palavras, o preço foi 1,8% menor que a média do primeiro mês do ano. Na média dos anos de retenção, o valor em outubro foi 9,9% superior.

Perceba que em anos de descarte, a chegada das fêmeas no final da safra pressiona mais as cotações, frente ao que é observado na média de todos os anos (“geral”) e em épocas de retenção, uma vez que a categoria é menos ofertada nesses anos.

A partir desses índices e do preço em janeiro de 2023 (R$285,97/@, Cepea), projetamos o que a movimentação histórica refletiria em cotações, para os três cenários. Adicionamos os preços do mercado futuro na tarde de 10/2 para comparação.

Figura 2. Projeção dos preços com base nas variações históricas da figura, frente à média de janeiro de 2023, e preços futuros na tarde de 10/2. Fonte: CEPEA / IBGE / HN AGRO

Para janeiro e fevereiro (parcial) os triângulos indicam o mercado físico e de março em diante são as cotações na B3, na tarde de 10/2 ou as últimas negociações para os contratos naquele momento.

VEJA TAMBÉM | Mercado futuro do boi gordo em alta, mas cotações no físico seguem pressionadas

Considerações

O mercado futuro está precificando uma valorização mais próxima do que ocorreu na média de anos de retenção. Isso poderia ser considerado excesso de otimismo, uma vez que a oferta de fêmeas deve continuar em alta este ano, com a rentabilidade da cria pressionada.

No entanto, temos dois pontos que ajudam a explicar o otimismo de um mercado precificando mais que um ano “típico de descarte”. O primeiro é que as exportações devem ajudar bastante em 2023, pela conjuntura de outros exportadores e cenário esperado de boas compras pela China.

A outra observação que pode ser feita é que estes cálculos usaram a referência de janeiro como base e o recuo observado ao longo de 2022 foi o maior, pelo menos desde 2002. Veja na figura 3 as variações nominais de preços do boi gordo entre janeiro e dezembro de cada ano.

Figura 3. Variações nominais de preços do boi gordo entre janeiro e dezembro de cada ano. Fonte: CEPEA / IBGE / HN AGRO

E por que fizemos esta ponderação? Porque a variação ao longo de 2022 reduziu bastante o “valor base” das projeções, ou seja, o preço com o qual iniciamos 2023.

Se fizermos uma média da curva de preços dos anos de retenção da figura 2, ainda teríamos um valor nominal 3,3% menor (R$307,29/@) que a média de 2022 (R$317,74/@). No cenário geral (todos os anos) e de descarte as médias seriam de R$293,41/@ (-7,7% YoY) e R$279,53/@ (-12,0% YoY). Os futuros apresentados na figura resultam em uma média de R$297,70/@ (-6,3% YoY).

Em resumo, a expectativa é de mais oferta, mas exportações ajudando e possivelmente um câmbio sendo penalizado por ataques ou mesmo ações ao Banco Central.

O mercado futuro está precificando uma curva relativamente forte, mas uma cotação média para 2023 nem um pouco fora da curva, lembrando que estes são valores nominais e apenas em seis, dos últimos 25 anos tivemos recuos nominais para o boi gordo nas médias anuais (2005, 2006, 2009, 2012, 2017 e 2022). A propósito, a queda de 2022 (frente a 2021) foi a maior. Vamos acompanhar.

Você gostou desta coluna? Tem alguma sugestão ou informação nova?  Por favor, me escreva no e-mail hyberville@hnagro.com.br.

Gostou? Compartilhe:
Destaques de hoje no Portal DBO

Cadastre-se de gratuitamente na Newsletter DBO:


    Continue depois da publicidade

    Continue depois da publicidade

    Continue depois da publicidade

    clima tempo

    São Paulo - SP

    max

    Máx.

    --

    min

    Min.

    --

    017-rain

    --

    Chuva

    008-windy

    --

    Vento

    Continue depois da publicidade

    Continue depois da publicidade

    Colunas e Artigos

    Continue depois da publicidade

    Continue depois da publicidade

    Leilões em destaque

    Continue depois da publicidade

    Newsletter

    Newsletter

    Jornal de Leilões

    Os destaques do dia da pecuária de corte, pecuária leiteira e agricultura diretamente no seu e-mail.

    Continue depois da publicidade

    Vaca - 30 dias

    Boi Gordo - 30 dias

    Fonte: Scot Consultoria

    Vaca - 30 dias

    Boi Gordo - 30 dias

    Fonte: Scot Consultoria

    Continue depois da publicidade

    Encontre as principais notícias e conteúdos técnicos dos segmentos de corte, leite, agricultura, além da mais completa cobertura dos leilões de todo o Brasil.

    Encontre o que você procura:

    Pular para o conteúdo