Imunocastração: bem-estar dos animais e melhor custo-benefício para o pecuarista

O método utiliza uma vacina que castra sem causar sofrimento aos animais

Continue depois da publicidade

Ao promover a castração de bovinos, tem-se como resultado a facilitação do manejo com animais mais tranquilos, além de uma melhoria da qualidade da carne e da carcaça. Estudos mostram, porém, que castrar os animais por meio de cirurgia causa intensa dor e estresse, perda de peso e pode trazer complicações pós-operatórias e custos com medicação.

“A imunocastração de bovinos machos reduz as brigas por hierarquia dos grupos e, portanto, lesões e problemas de casco, reduzindo riscos de acidentes de trabalho na fazenda. Com a ferramenta, o produtor não lida com problemas como hemorragia, bicheiras e infecções, e não há risco de morte de animais por complicações pós-cirúrgicas. Na fazenda, os animais tornam-se mais calmos, facilitando assim o manejo do rebanho”, explica o zootecnista Daniel Cesar Miranda, gerente de produto da Zoetis.


O profissional acrescenta que há ainda uma melhora na conversão alimentar, além do desenvolvimento de anticorpos contra o GnRH.

Em um contexto de crescente engajamento do consumidor nas causas ambientais e maior preocupação com a origem dos alimentos, práticas que promovem o bem-estar animal, como a imunocastração, agregam valor ao produto.

Foto: Divulgação

Com o método, é possível obter carcaças de qualidade, provenientes de animais jovens, com excelente acabamento. Assim, pode-se aumentar os lucros na fase da terminação e explorar o segmento de carne gourmet, que, segundo estimativas, cresce cerca de 20% ao ano no Brasil.

A castração permite que haja maior deposição de gordura e, por consequência, aumenta a proteção da carcaça no processo de resfriamento, o que torna a técnica uma aliada para o melhoramento da qualidade da carne. “A imunocastração certamente é um dos fatores importantes para a obtenção de uma carne de qualidade superior, além de questões como genética, idade e sexo, nutrição do animal e tipo de manejo, dentre outros”, esclarece Miranda.

No mercado há mais de uma década, a imunocastração com Bopriva tem ajudado muitos produtores a atingirem seus objetivos. De acordo com a Zoetis, o produto age no sistema imunológico dos bovinos e proporciona a suspensão temporária da fertilidade de machos e fêmeas, o que proporciona a melhoria no acabamento da carcaça e a produção de carne de qualidade superior.

De modo similar, a vacinação de fêmeas adultas leva à inibição temporária do comportamento associado ao estro. A ferramenta tem sido adotada tanto por pecuaristas quanto por frigoríficos.

“É uma tecnologia que traz bem-estar aos animais, evita perdas de desempenho pós-castração, como acontece com os métodos tradicionais, e reduz o tempo necessário para que o animal atinja o grau de acabamento de carcaça ideal para o abate”, resume Miranda.

Fonte: Ascom Zoetis

Gostou? Compartilhe:
Destaques de hoje no Portal DBO

Continue depois da publicidade

Continue depois da publicidade

clima tempo

São Paulo - SP

max

Máx.

--

min

Min.

--

017-rain

--

Chuva

008-windy

--

Vento

Continue depois da publicidade

Colunas e Artigos

Continue depois da publicidade

Continue depois da publicidade

Leilões em destaque

Continue depois da publicidade

Newsletter

Newsletter

Jornal de Leilões

Os destaques do dia da pecuária de corte, pecuária leiteira e agricultura diretamente no seu e-mail.

Continue depois da publicidade

Vaca - 30 dias

Boi Gordo - 30 dias

Fonte: Scot Consultoria

Vaca - 30 dias

Boi Gordo - 30 dias

Fonte: Scot Consultoria

Continue depois da publicidade

Programas

Continue depois da publicidade

Continue depois da publicidade

Continue depois da publicidade

Encontre as principais notícias e conteúdos técnicos dos segmentos de corte, leite, agricultura, além da mais completa cobertura dos leilões de todo o Brasil.

Encontre o que você procura: