Abrafrigo: exportação de carne bovina cresce 47% em volume e 77% em receita

Nos primeiros dois meses do ano, a venda internacional da proteína ficou bastante aquecida e atingiu 342.339 toneladas, com receita de US$ 1,78 bilhão

Continue depois da publicidade

Com a movimentação de 182.341 toneladas, novo recorde para o mês, e uma receita de US$ 975,8 milhões, as exportações totais de carne bovina (carnes in natura mais as carnes processadas) apresentaram em fevereiro um crescimento de 47% no volume e de 77% em receita, em relação a fevereiro de 2021, segundo a Associação Brasileira de Frigoríficos (Abrafrigo), que compilou as informações da Secretaria de Comercio Exterior (Secex), do Ministério da Economia.

Nos primeiros dois meses do ano, a venda internacional de carne bovina ficou bastante aquecida e atingiu 342.339 toneladas, com receita de US$ 1,78 bilhão, crescimento de 36% no volume e de 62% na receita em relação ao mesmo período do ano passado, com 251.603 toneladas exportadas e receita de US$ 1,101 bilhão.


Os preços médios de todos os tipos de carne bovina comercializadas também vêm subindo. Em fevereiro de 2021 eles foram de US$ 4,435 mil por tonelada e em fevereiro de 2022 atingiram a US$ 5,350 mil (+20%).

Mercados

A China continua comandando a lista de países importadores, mas mesmo aumentando o volume diminuiu sua participação relativa.

O país comprou 140.946 toneladas nestes dois meses (41% do total) contra 119.031 em 2021 (era 47% do total), o que demonstra que a carne bovina brasileira está apresentando crescimento significativo também em outros mercados como Estados Unidos, Egito, Israel, Chile, Filipinas, Emirados Árabes, Itália e Rússia.

Como segundo maior comprador estão os Estados Unidos que passaram de 7.616 toneladas no primeiro bimestre de 2021 (3% do total) para 43.451 toneladas em 2022 (12,7% do total), num crescimento de 470,5% na movimentação.

VEJA TAMBÉM | Carne bovina: embarques brasileiros sobem 56% em fevereiro e atingem patamar recorde para o mês

O Egito também voltou a fazer aquisições significativas e se transformou no terceiro maior cliente brasileiro: em 2021 elas foram de apenas 8.241 toneladas (3,3% do total) e em 2022 já chegaram a 31.705 toneladas (9,3% do total), nos primeiros dois meses do ano.

Em quarto lugar está Hong Kong, que paulatinamente vem reduzindo suas compras devido ao aumento de aquisições pelo continente, com 34. 571 toneladas importadas em 2021 e somente 20.594 toneladas em 2022 (-40,4%).

Em quinto, o Chile, com 10.599 toneladas em 2021 e 11.436 toneladas no mesmo período de 2002 (+ 7,9%); na sexta posição surgiu Israel, que em 2021 comprou 6.359 toneladas e, neste ano, já importou 10.042 toneladas (+57,9%); os Emirados Árabes ficaram na sétima posição, com aquisições de 6.349 toneladas em 2021 e agora 9.305 toneladas (+46,6%); a Rússia veio em oitavo lugar, com importações de 3.238 toneladas em 2021 e 8.627 em 2022 (+ 166%).

No total, 88 países aumentaram suas compras da carne bovina brasileira in natura e processada, enquanto outros 36 reduziram a movimentação.

Fonte: Ascom Abrafrigo

Gostou? Compartilhe:
Destaques de hoje no Portal DBO

Continue depois da publicidade

Continue depois da publicidade

Continue depois da publicidade

clima tempo

São Paulo - SP

max

Máx.

--

min

Min.

--

017-rain

--

Chuva

008-windy

--

Vento

Continue depois da publicidade

Continue depois da publicidade

Colunas e Artigos

Continue depois da publicidade

Continue depois da publicidade

Newsletter

Newsletter

Jornal de Leilões

Os destaques do dia da pecuária de corte, pecuária leiteira e agricultura diretamente no seu e-mail.

Continue depois da publicidade

Vaca - 30 dias

Boi Gordo - 30 dias

Fonte: Scot Consultoria

Vaca - 30 dias

Boi Gordo - 30 dias

Fonte: Scot Consultoria

Continue depois da publicidade

Encontre as principais notícias e conteúdos técnicos dos segmentos de corte, leite, agricultura, além da mais completa cobertura dos leilões de todo o Brasil.

Encontre o que você procura:

Pular para o conteúdo