ARTIGO | Transformando pastagens degradadas em fontes sustentáveis de nutrição animal

LEIA o artigo de Flávia Maria de Andrade Gimenes, pesquisadora científica do Instituto de Zootecnia da Agência Paulista de Tecnologia dos Agronegócios (IZ-APTA), Doutora em Ciência Animal e Pastagens pela USP e membro da Associação dos Profissionais de Pecuária Sustentável (APPS)

Continue depois da publicidade

* Por Flávia Maria de Andrade Gimenes

Foto: Divulgação

A alimentação do rebanho é o principal componente dos custos de produção de carne e leite, podendo chegar a 60% do total. Nas pastagens, os animais selecionam e colhem sua própria comida, o que torna essa opção a mais econômica, porém metade dos 154 milhões de hectares ocupados por pastagens no Brasil apresenta algum grau de degradação, situação em que as pastagens perdem seu vigor, capacidade produtiva e são infestadas de pragas, doenças e plantas daninhas, sendo necessário o produtor rural fornecer suplementos aos animais que impactam no custo.

Para que a alimentação do animal no pasto seja efetiva na nutrição é preciso que as pastagens sejam bem manejadas permitindo maior consumo de forragem de qualidade. Os dois principais fatores que causam a degradação de pastagens são o manejo do pasto inadequado, normalmente superpastejo (elevadas taxas de lotação) e falta de reposição de nutrientes.


A degradação de pastagens é um processo evolutivo contínuo, que pode ser dividido em 4 níveis: leve, moderado, forte e muito forte. Nos níveis leve a moderado há uma redução contínua da produção de forragem e aumento de áreas de solo descoberto e plantas invasoras, já nos níveis forte e muito forte as áreas com as plantas forrageiras são escassas e a maior parte do solo é descoberta ou ocupada por plantas daninhas, havendo erosão e degradação biológica de solo.

Nestas situações a produção animal e capacidade de suporte do pasto também vão sendo reduzidas proporcionalmente à severidade da degradação das pastagens.

Para as pastagens apresentarem benefícios, o pecuarista precisa tomar a decisão de recuperar as pastagens ou reformá-las, sendo esta opção de maior custo do que a primeira. Para recuperar a pastagem a área ainda deve apresentar predomínio do capim desejado, se isso não ocorrer deve-se optar pela reforma de pastos.

Na recuperação de pastagens deve-se em primeiro lugar ajustar o manejo do pasto, reduzindo-se o número de animais por área ou até deixando a área em pousio (sem animais). Em seguida deve-se seguir as recomendações de manejo de cada planta forrageira conforme indicado pela pesquisa, usando faixas de altura do capim para áreas sob lotação contínua e alturas pré e pós-pastejo para áreas sob lotação rotacionada.

Como exemplo a Brachiaria brizantha cv. Marandu (braquiarão) deve ser manejada em uma faixa em torno de 30 cm sob lotação contínua ou alturas pré e pós-pastejo de 25 e 15 cm, respectivamente, sob lotação rotacionada.

Quanto à fertilidade do solo deve ser feita análise de solo e recomendações segundo os resultados, com aplicação de calcário, fósforo e potássio. A aplicação de nitrogênio estará bastante ligada aos objetivos do cultivo do pasto, sendo de 50 a 100 kg/ha.ano de N para manutenção de 100 a 300 kg/ha.ano de N para elevar a produção de forragem.

Quando não for possível recuperar, deve-se fazer a reforma da pastagem que engloba as mesmas ações de um novo plantio, com preparo do solo e semeadura de novas plantas forrageiras, além da adubação e adequação do manejo do pasto conforme feito na recuperação. Essa reforma também pode ser feita com integração de lavouras, como milho e soja, reduzindo os custos das operações agrícolas e da adubação.

De forma geral, o importante é que o produtor rural esteja sempre andando na pastagem e resolvendo os problemas assim que identificados, resultando em pastos com elevada produção de capim, muitas folhas, alto valor nutritivo e produtividade animal.

* Pesquisadora científica do Instituto de Zootecnia da Agência Paulista de Tecnologia dos Agronegócios (IZ-APTA), Doutora em Ciência Animal e Pastagens pela USP e membro da Associação dos Profissionais de Pecuária Sustentável (APPS)

Gostou? Compartilhe:
Destaques de hoje no Portal DBO

Continue depois da publicidade

Continue depois da publicidade

clima tempo

São Paulo - SP

max

Máx.

--

min

Min.

--

017-rain

--

Chuva

008-windy

--

Vento

Continue depois da publicidade

Colunas e Artigos

Continue depois da publicidade

Continue depois da publicidade

Leilões em destaque

Continue depois da publicidade

Newsletter

Newsletter

Jornal de Leilões

Os destaques do dia da pecuária de corte, pecuária leiteira e agricultura diretamente no seu e-mail.

Continue depois da publicidade

Vaca - 30 dias

Boi Gordo - 30 dias

Fonte: Scot Consultoria

Vaca - 30 dias

Boi Gordo - 30 dias

Fonte: Scot Consultoria

Continue depois da publicidade

Encontre as principais notícias e conteúdos técnicos dos segmentos de corte, leite, agricultura, além da mais completa cobertura dos leilões de todo o Brasil.

Encontre o que você procura:

Pular para o conteúdo