Você está aqui:
///1ª safra de milho 18/19 é revisada para 27,27 mi de t

1ª safra de milho 18/19 é revisada para 27,27 mi de t

Produção maior decorre do aumento da produtividade estimada em 5,26 t por hectare

Portal DBO - 03/12/2018

A consultoria INTL FCStone apresentou nesta segunda-feira, 3, uma revisão sobre a previsão da produção de milho 2018/2019. A primeira safra com o cereal está projetada em 27,27 milhões de toneladas, pequeno aumento de 180 mil t em comparação com a estimativa anterior da empresa, de novembro (27,09 milhões de t).

A produção maior no verão decorre de um aumento da produtividade estimada que, na média do Brasil, passou de 5,22 toneladas para 5,26 toneladas por hectare. “No Rio Grande do Sul, as condições das lavouras de milho estão muito positivas e a produtividade do Estado, que alterna com Minas Gerais no posto de maior produtor da safra de verão, foi elevada para 6,9 toneladas por hectare”, destaca em comunicado a analista de mercado da consultoria, Ana Luiza Lodi.

Já a primeira estimativa da FCStone para a safra de inverno de milho 2018/2019 aponta produção de 64,93 milhões de toneladas, considerando um aumento de área frente a 2017/2018 e uma normalização da produtividade, após a quebra expressiva do ciclo anterior. Esse nível de produção representa aumento de 20% no comparativo anual.

A área plantada é estimada em 11,6 milhões de hectares pela consultoria, um aumento de 2,7% em relação a 2017/2018, em decorrência da expectativa de crescimento de área em Mato Grosso e Paraná, que deve ser favorecida pelo ciclo mais adiantado da soja.

A recuperação da produção deve contribuir para manter os estoques finais de milho em níveis elevados, em 14,4 milhões de toneladas, segundo a INTL FCStone, mesmo com exportações maiores. “As exportações podem se recuperar em meio a uma oferta mais elevada, voltando a superar 30 milhões de toneladas. O consumo interno também deve continuar com tendência positiva, já que o Brasil é um dos maiores produtores de carne do mundo”, disse Ana Luiza.

Considerando as duas safras de milho, o Brasil deve colher um total de 92,2 milhões de toneladas de milho em 2018/2019.

Soja

A INTL FCStone, em sua revisão de dezembro, manteve a estimativa de produção de soja para a safra 2018/19 em 120,2 milhões de toneladas, nível que, se confirmado, vai configurar recorde histórico. Esse nível de produção é resultado de uma área em 35,9 milhões de hectares e uma produtividade de 3,35 toneladas por hectare, rendimento abaixo do recorde do ciclo passado.

“As perspectivas, no geral, se mantêm positivas, mas o regime de chuvas é um ponto de atenção. Têm sido registrados volumes muito grandes de precipitação em todo o País, com previsões de que dezembro também seja um mês bastante chuvoso. Apesar de não se falar em perdas de produtividade, essas chuvas trazem preocupação quanto ao aumento de proliferação de doenças, além de dificultar os tratos culturais. Ademais, com dias muito nublados, a taxa de irradiação solar diminui. Dessa forma, nas próximas semanas o clima deve ser acompanhado de perto, para se ter uma melhor definição do potencial produtivo da soja”, alerta o grupo, em relatório.

Para o balanço de oferta e demanda, mesmo com a expectativa de um novo recorde na safra 2018/2019, espera-se que os estoques se mantenham muito baixos, em 690 mil toneladas, uma vez que as exportações devem continuar aquecidas. “Caso China e Estados Unidos entrem em algum tipo de acordo, a demanda pela soja brasileira poderia acabar ficando mais fraca, o que resultaria em um balanço um pouco menos restrito”, resume a analista Ana Luiza Lodi.

Exportações do milho

As exportações brasileiras de milho em novembro totalizaram 3,996 milhões de toneladas, 13,5% acima do volume embarcado em novembro de 2017, quando somaram 3,519 milhões de toneladas. A receita com as vendas externas do cereal chegou a US$ 711,9 milhões, 32,5% maior que a registrada em novembro do ano passado, que foi de US$ 537,1 milhões. Os dados foram divulgados nesta tarde de segunda-feira, 3, pelo Ministério da Indústria, Comércio Exterior e Serviços (MDIC) e consideram 20 dias úteis.

Na comparação com outubro, quando os embarques somaram 3,200 milhões de toneladas, o volume exportado em novembro foi 24% maior. A receita também subiu de um mês para o outro, 28% – em outubro, atingiu US$ 554,0 milhões.Os embarques mensais foram impulsionados principalmente pelos Estados do Centro-Oeste. Mato Grosso, por exemplo, costuma embarcar grandes volumes para o exterior nesse mês do ano. Além disso, a valorização do dólar estimulou os embarques. A alta na exportação inverte uma curva descendente – de julho até outubro os embarques vinham caindo, na comparação anual.

No acumulado de 11 meses, a exportação do cereal alcança 19,885 milhões de toneladas, 20% menos que os 24,931 milhões de toneladas embarcadas em igual intervalo de 2017. A receita cambial obtida entre janeiro e novembro deste ano, de US$ 3,412 bilhões, foi 15,4% menor que a registrada no intervalo correspondente do ano passado, de US$ 4,036 bilhões.

O preço médio do cereal exportado em novembro foi de US$ 178,10 a tonelada, ante US$ 173,10 em outubro e US$ 152,6/t em novembro de 2017.

Fonte: ESTADÃO CONTEÚDO

This Is A Custom Widget

This Sliding Bar can be switched on or off in theme options, and can take any widget you throw at it or even fill it with your custom HTML Code. Its perfect for grabbing the attention of your viewers. Choose between 1, 2, 3 or 4 columns, set the background color, widget divider color, activate transparency, a top border or fully disable it on desktop and mobile.
X